Futuro

De cerveja aos ‘bolonhas’: Canadá ganha série de produtos com maconha

por: Redacao_Hypeness

Publicidade Anuncie

Cerveja preparada com maconha, misturas de panificação preparadas para revelar os sabores únicos do óleo de cannabis e cookies de maconha à moda antiga: empresas canadenses estão criando todos esses produtos, mas não está claro quando as lojas poderão armazenar legalmente os alimentos para usuários recreativos. Ainda assim, os empresários têm sido criativos para fabricar, refinar e vender seus produtos.

A capital Ottawa prometeu que a maconha recreativa se tornará legal em algum momento deste ano e o Senado aprovou recentemente o projeto de legalização – mas o governo federal disse que a venda de produtos comestíveis de cannabis não virá imediatamente com a liberação. Isso não impediu que empresas canadenses entrassem no mercado com força total.

Brownie de maconha em breve deve estar no mercado canadense

Brownie de maconha em breve deve estar no mercado canadense

Tim Moore, CEO da empresa Xanthic Biopharma, com sede em Toronto, acha que os alimentos são a forma preferida de consumo de cannabis para muitas pessoas, em parte porque são portáteis, discretos e não carregam o mesmo estigma de acender um baseado.

“Fumar tem sido um pouco difamado nas últimas gerações. E vaporização ainda tem alguns problemas”, disse Moore. “Acreditamos que (os produtos alimentícios) vão se tornar uma grande parte dos negócios no Canadá nos próximos anos”.

Sua empresa criou uma tecnologia que converte cannabis em pó e trabalha com produtores licenciados para oferecer produtos como bebidas infusionadas com THC, o ingrediente ativo da maconha. Devido às atuais leis canadenses, os produtos só estão disponíveis em partes dos Estados Unidos.

Há benefícios em trabalhar ao sul da fronteira, disse Moore. “Nosso mercado inicial foi no oeste dos EUA, onde produtos recreativos são legais. Mas agora voltamos para o Canadá e estamos conversando (com produtores licenciados) e temos a credibilidade de que estivemos nesse mercado, seguindo a curva de aprendizado “, disse ele.

Outras empresas descobriram que é mais difícil seguir pelas regras do Canadá. Dooma Wendschuh é um dos fundadores da Province Brands, uma empresa sediada em Toronto que produz cerveja a partir de maconha, e ele disse que tem sido “mais ou menos impossível” trabalhar no Canadá.

Publicidade

A Province Brands faz cerveja de maconha, mas ainda não vende no Canadá

A Province Brands faz cerveja de maconha, mas ainda não vende no Canadá

Embora sua equipe possa produzir pequenos lotes de produtos, a lei canadense os proíbe de fazer testes de sabor, disse ele. “Se eu quisesse abrir uma sorveteria, poderia simplesmente abri-la. Se eu quisesse fazer um novo sabor de sorvete, eu poderia fazer isso. Se eu quiser fazer uma bebida de maconha, posso fazê-lo, mas ninguém pode beber ”, disse Wendschuh.

A empresa tem sido muito cuidadosa em trabalhar dentro da lei, fazendo testes de sabor fora do Canadá e, quando volta para casa, trabalhando com cânhamo em vez de maconha, disse ele.

Até agora eles criaram uma cerveja no estilo indian pale ale e uma pilsner imperial, disse Wendschuh, e estão ansiosos pelo dia em que finalmente poderão vender seus produtos.

Em Calgary, a reTreat Edibles já está vendendo brownie e biscoitos, mas até Ottawa fazer regras para os doces infusionados com maconha, eles deixam para os consumidores adicionarem óleo da planta, disse o chef John Michael MacNeil. Vender os produtos sem maconha está ajudando a empresa a ter reconhecimento da marca antes da legalização, disse ele.

A reTreat Edibles faz doces, capsulas e barras de cereal com maconha

A reTreat Edibles faz doces, capsulas e barras de cereal com maconha

O chef disse que está procurando criar sabores que revelem os gostos específicos e cheiros de várias variedades de cannabis. “Cada planta é muito diferente e produz óleos diferentes, e eles dão o cheiro e até mesmo o sabor”, explicou ele. “Alguns deles podem ter gosto de alecrim, manjericão, salsa, endro, capim-limão e até lavanda.”

MacNeil disse que acredita que o governo federal está sendo rigoroso e cauteloso em relação aos comestíveis, mas isso não é necessariamente uma coisa ruim. “Eles estão forçando as pessoas a seguirem todos os passos certos e todos os processos corretos para terem uma experiência confiável, consistente e segura para o uso final”, disse ele.

Algumas pessoas que trabalham no setor não acreditam que a regulamentação governamental acabará com os produtos do mercado negro. Já existe uma “demanda massiva” por comestíveis no Canadá e isso só vai crescer após a legalização, disse Brandon Wright, co-fundador da Baked.

A Baked tem chocolates, óleos e uma série de produtos com cannabis

A Baked tem chocolates, óleos e uma série de produtos com cannabis

A empresa sediada em Victoria fabrica uma variedade de produtos infundidos com cannabis, desde biscoitos e barras de proteínas a óleos e cápsulas, e os vende on-line. “Definitivamente, será um crescente mercado negro, mesmo entre empresas que estão tentando se tornar legítimas como nós”, disse Wright.

Quando as regras para comestíveis entrarem, haverá mudanças drásticas no que as empresas criam e vendem, acrescentou. Por exemplo, a proibição de misturar cannabis e cafeína eliminaria as barras de chocolate dos menus dos produtos.

Wright disse que espera que haja um grande foco em itens de baixa dose, como bebidas. “Acho que será interessante em um mercado regulado, porque nos permitirão ser criativos dentro dessas restrições, enquanto no momento, sem restrições, é apenas criatividade aberta”.

Publicidade Anuncie

Fotos: Divulgação das marcas


Redacao_Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Kakebo: Técnica japonesa criada para empoderar mulheres promete reduzir gastos em até 35%