Debate

Bebê de 5 dias morre após sofrer mutilação genital

por: Redação Hypeness

Apesar de ser condenada por instituições de defesa dos direitos humanos, a mutilação genital feminina ainda é uma prática adotada em muitos países do continente africano e no Oriente Médio.

Segundo levantamento realizado em 2015 pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, a mutilação é realizada em cerca de 3 milhões de mulheres e meninas anualmente, concentrando-se em 29 países de África e Oriente Médio.

A Somália lidera a lista de países onde o procedimento ocorre com maior frequência. Lá, 98% das mulheres entre 15 e 49 anos já sofreram algum tipo de mutilação na vagina. A persistência em seguir com a mutilação genital feminina esbarra, de acordo com defensores da prática, em uma questão cultural.

Em entrevista ao IG, Olga Regina Zigelli Garcia, pesquisadora do Instituto de Estudos de Gênero da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), diz que as origens do hábito se dão a partir da comercialização de escravizadas no Vale do Nilo, que realizavam o procedimento antes do negócio.

Na Somália, quase todas as mulheres já sofreram mutilação genital

Agora, cada vez mais pressionados por entidades de defesa dos direitos das mulheres, muitas nações estão proibindo a mutilação, caso da Nigéria, que por meio de decreto do então presidente, vetou o ato em todo o território  nacional.

Porém, ainda não são raros os relatos de mutilação feminina e os bebês estão cada vez mais presentes entre as vítimas. A Rede Contra a Mutilação Genital Feminina (RCMGF) diz que ao invés dos 10 anos, as mulheres estão sendo mutiladas com meses de idade.

Uma bebê que nasceu no dia de Natal, em Manyara, na Tanzânia, foi mutilada pela bisavó aos 5 dias de vida, disse a RCMGF.  Aliás, em função de complicações geradas pelo procedimento, a bebê acabou morrendo no hospital. Se você não sabe, a mutilação genital feminina consiste na remoção do clitóris ou dos lábios vaginais para a colocação de uma espécie de ‘piercing’.

Também na Somália, uma criança de 10 anos morreu após ser vítima da mutilação genital feminina. As informações dão conta de que a jovem não resistiu a uma hemorragia, mesmo depois de 14 dias de internação.

“Suspeita-se de que a circuncisadora lhe tenha cortado uma veia importante. A mulher que fez a operação não foi detida mas, mesmo que fosse, não há lei que assegure que seria punida pelo acto. Este é apenas um dos casos diários que acontecem na Somália”, informou Hawa Aden Mohamed, dirigente de um grupo local de mulheres, o Galkayo Education Center for Peace and Development (GECPD).

Publicidade

Foto: Reprodução/YouTube


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
J.K. Rowling perde vergonha de esconder preconceito e divulga loja de produtos transfóbicos