Viagem

Nesta cidade, um salário anual de R$ 450 mil é considerado baixo

por: Redação Hypeness

Você toparia largar seu emprego atual por uma posição com um salário de R$ 450 mil ao ano?

Se a vaga for em São Francisco, nos Estados Unidos, é melhor pensar duas vezes antes de aceitá-la…

Na cidade, uma família de quatro pessoas que ganhe esse valor seria considerada de “baixa renda”. Considerando que essa família seja formada por dois adultos e duas crianças, o salário mensal de cada adulto precisaria ser equivalente a mais de R$ 18 mil.

Além disso, famílias do mesmo tamanho que recebem menos de R$ 282,8 mil por ano já são consideradas como de “muito baixa renda”, segundo um estudo divulgado pela BBC.

Como explicar esses valores? Tudo parte do método utilizado pelo governo dos Estados Unidos para definir o que seria uma família de baixa renda. No país, normalmente são consideradas assim famílias que ganhem menos de 80% da remuneração média de outros núcleos familiares de mesmo tamanho na mesma região.

E aí vai um ponto a favor de São Francisco: os salários na cidade são altos em comparação ao restante do país. É lá que moram os profissionais mais bem pagos do nosso vizinho do Norte. Em 2016, a remuneração média dos habitantes era de US$ 63 mil por ano (cerca de R$ 240).

Em contrapartida, o custo de uma moradia no município é altíssimo e isso faz com que a média salarial para que uma família seja considerada de baixa renda suba. No caso da cidade, essa média é de US$ 117 mil (cerca de R$ 450) – valor quase igual à remuneração média de uma família de quatro pessoas por lá, que fica em US$ 118 (ou R$ 454).

 

Publicidade

Fotos: Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Companhia aérea cria ferramenta polêmica que permite escolher assentos longe de bebês