Debate

Trump mantém 700 crianças separadas dos pais na fronteira com o México

por: Redação Hypeness

Ao menos 700 crianças permanecem separadas dos pais na fronteira dos Estados Unidos com o México. Mesmo sob vigência de uma decisão judicial, o governo Trump devolveu apenas 1.800 dos 2.500 menores.

O Departamento de Justiça dos EUA diz que 711 jovens permanecem detidos, pois os pais deixaram de cumprir requisitos como a não comprovação de vínculo paterno ou materno.

Em manifestação no Senado em Washington, defensores dos direitos dos imigrantes cobraram uma atitude das autoridades, principalmente pelo descumprimento do prazo de dado pela Justiça.

O endurecimento das políticas anti-imigratórias divide opiniões

“Há quase mil crianças que ainda não foram reunidas aos seus pais. Cada vez mais os congressistas e as empresas mostram seu rechaço. Não vamos parar de pressionar”, declarou Jess Morales Rocketto, da organização Families Belong Together. informa Antonia Laborde.

Famílias que temem serem deportadas também estão apreensivas. Donald Trump continua exercendo grande pressão para que muitos destes sejam mandados embora dos Estados Unidos o mais rápido possível. O governo federal já entrou com recurso na Justiça ordenando a reversão imediata do parecer do juiz Dana Sabraw, que garante o direito das pessoas de permanecerem nos EUA.

O imbróglio é fruto da adoção de uma política de tolerância zero com imigrantes. Em abril a administração comandada por Donald Trump anunciou a aplicação de uma política que levou, entre os meses de maio e junho, à separação de pais e filhos na fronteira com o México.

Publicidade

Foto: Creative Commons


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher que deu show de homofobia em padaria e o privilégio branco que João Alberto não teve no Carrefour