Inspiração

Conheça a história da mulher que ganha a vida abraçando desconhecidos

por: Gabriela Glette

Publicidade Anuncie

Na era das redes sociais e das conexões virtuais, o afeto e contato físico – tão importantes para nossa saúde física e mental, acabaram ficando em segundo plano. Por mais que as interações que façamos na internet tomem boa parte de nosso tempo, o ser humano precisa do toque, do olho no olho, do abraço e é exatamente isso que a australiana Jessica O’Neill, de 35 anos tem feito.

Terapeuta, massagista e nutricionista desde os 20, incluir a terapia do abraço em suas sessões foi algo que surgiu naturalmente, já que ela vem de uma família que nunca negligenciou a importância do contato físico: Eu venho de uma família que sempre foi muito afetuosa. Eu sou naturalmente assim e era normal eu sempre abraçar meus pacientes antes e depois das sessões, afirmou.

Publicidade

As sessões sempre começam com uma curta meditação e, Jessica diz ser muito mais fácil conversar sobre qualquer assunto depois de alguns minutos de abraço, depois da tensão e ansiedade irem embora. A maioria de deus pacientes são homens acima dos 35 ou mulheres com mais de 60 anos e, sua clínica, em Gold Coast – Austrália, recebe mais pacientes do que você possa imaginar.

As sessões custam aproximadamente 420 reais e um ano ela chegou a ganhar quase R$ 240 mil, apenas com este tratamento, o que nos diz muito sobre o que as pessoas andam sentindo falta. Estaria o mundo super conectado nos afastando cada vez mais das pessoas e nos deixando carentes de afeto? Segundo a terapeuta, sim: Todo mundo tem uma história totalmente diferente. Mas os fatores mais comuns são solidão, depressão, isolamento e ansiedade. Todos eles têm esse desejo de se conectar com alguém”.

Publicidade Anuncie

Fotos: Nigel Hallett - News Corp Australia / Unsplash


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.


X
Próxima notícia Hypeness:
Minha mãe é mais jovem do que eu: 3 mulheres que redefinem a maturidade todos dias