Entrevista Hypeness

Filho de Edmundo, cineasta Alexandre Mortágua quer homens discutindo abandono parental, não o aborto

por: Kauê Vieira

Publicidade Anuncie

O audiovisual está voltando suas atenções para um assunto delicado, mas que precisa ser debatido com urgência. Responsável pelo comprometimento afetivo de milhões de crianças em todo o país, o abandono parental é tema do primeiro filme de Alexandre Mortágua.

O jovem de 23 anos, morador da cidade de São Paulo, está debutando no cinema com Todos nós 5 milhões, produção que joga luz sobre os efeitos causados pela evasão paterna.

Mortágua assina o roteiro, direção e produção. Em conversa com o Hypeness, o artista visual conta como usou sua história pessoal como ponto de partida para a película. Mas não se engane, pois Alexandre  – fruto do relacionamento entre Cristina Mortágua e o jogador de futebol Edmundo, pretende exaltar a força das mulheres no preenchimento deste vazio.

“O filme se baseia nesse dado sobre o buraco, sobre a ausência, mas ele não fala disso. Ele fala sobre o que preencheu esse buraco.

E, no meu caso, e de muitas – quase todas – crianças, esse buraco foi preenchido por mulheres. O filme fala mais dessas muitas mulheres

“A transfobia vai ser uma coisa que as pessoas vão ler nos livros de história e rir da gente”

Assistindo ao trailer, dá pra entender os objetivos da equipe. Sem rodeios, o roteiro mescla depoimentos fortes de mães, crianças abandonadas e pais omissos, para tornar estas histórias públicas. Afinal, quem são estes rostos que durante décadas sofreram com a ausência de uma figura afetiva?

“Quando o filme começou a ficar pronto, no início desse ano, a gente – a equipe – foi percebendo em doses homeopáticas o que a gente tinha feito, sabe? Foi uma experiência muito exaustiva mas foi muito bom. Está sendo muito bom. Aí, mais recentemente, depois de assistir o filme editado com algumas pessoas, eu fui percebendo mil coisas, sabe?

É um pouco difícil tirar do abstrato pra explicar essa ‘superação’, mas eu tenho a minha casa com meus dois cachorros, que é o meu paraíso; eu faço o que eu quero (artisticamente), com um grupo de pessoas incríveis, que eu admiro muito e me inspiram muito.

Por ter nome associado com o de uma figura pública, Alexandre diz ser extremamente cuidadoso para evitar que sua imagem se sobreponha ao verdadeiro objetivo, a alienação parental.

Ao passo que o artista visual se sente pronto para assumir a bronca de expor as ações de uma pessoa famosa e usar a repercussão para evidenciar o assunto.

Juntos, nós fizemos um filme sobre amor, família. Um filme que eu nunca imaginei fazer. A minha produtora virou esse espaço seguro onde uma bicha (um pouco escandalosa) pode dirigir uma equipe de mais de 50 pessoas, quase todas trabalhando de graça (viva o cinema independente!) por três meses. Eu me sinto poderoso. Eu ganhei   

Dados divulgados pelo Conselho Nacional de Justiça com base no Censo Escolar, apontam que no Brasil são 5,5 milhões de crianças abandonadas pelo pai. O Estado do Rio de Janeiro lidera o ranking, com 677.676 crianças sem filiação completa, seguido por São Paulo, com 663.375 crianças com pai desconhecido.

Alexandre Mortágua afasta o pensamento pretensioso de que Todos Nós 5 milhões vá servir como auxílio para esta parcela considerável da população. O diretor prefere deixar a obra falar por si só e que as pessoas possam processá-la a partir de suas próprias experiências.

‘Todos Nós 5 Milhões’, estreia em maio de 2019

“Mas será que elas precisam de auxílio? E é uma pergunta sincera, eu faço mais perguntas do que elaboro respostas. Eu acho que o filme pode trazer alguma dignidade, embora não seja essa a intenção”.

O longa ouviu 22 pessoas e escolheu como trilha sonora a emblemática Mama África, música lançada por Chico César. Com um ar de suposta inocência, a letra reflete este cenário e traça um perfil das pessoas que mais sofrem com a alienação parental, mulheres negras e em situação de vulnerabilidade social.

O problema é sério e por isso, o Estatuto das Famílias (PLS 470/2013) prevê punições e estabelece que pais e filhos têm direitos e deveres recíprocos de convivência familiar.

O estatuto, de autoria da senadora Lídice da Mata (PSB-BA), salienta que “os filhos não podem ser privados do contato regular com ambos os pais, independentemente de eles constituírem nova famíliaPara o Direito, o afeto não se traduz apenas como um sentimento, mas principalmente como dever de cuidado, atenção, educação, entre outros”, observa a senadora ao justificar a elaboração do PLS 470/2013.

Vamos pensar masculinidade?

Não tem jeito, o entrave desta história toda passa necessariamente pelo machismo. Aliás, isso ficou claro no futebol, esporte em que Edmundo fez fama. Recentemente, o Hypeness publicou uma reportagem mostrando que metade dos jogadores da seleção brasileira na Copa do Mundo da Rússia, foram criados apenas pelas mães.

“Eu não vejo homens dispostos a discutir masculinidade/paternidade com o mesmo afinco que discutem a descriminalização do aborto. Mas é uma discussão pop, né? Eu também acho um erro excluir essa discussão da política institucional mas isso são outros quinhentos. Minha esperança é essa geração mais nova (ainda) que eu. Boto muita fé neles. 

As ocupações nas escolas estaduais, esses meninos e meninas que aprenderam a se amar, seu cabelo crespo, sua pele preta… Qualquer achismo de melhora é resultado dessa bolha, mas pequenos inconscientes coletivos mudaram e acho que os avanços que a gente precisa, vão vir dessas brechas nas estruturas.

Perguntado se acredita em uma contribuição dos meios machistas, entre eles o futebol, para a manutenção do cenário, o  artista visual – com filiação reconhecida por meio de teste de DNA, diz não enxergar uma relação direta. Alexandre cita, por exemplo, o caso da modelo trans Lea T., que conserva uma relação boa com o pai, o ex-jogador Toninho Cerezo.

“O pai da Lea T. – pelo que parece – a respeita e admira muito. O cantor Solimões, com a maior simplicidade do mundo, resumiu o que respeito significa quando se referiu ao filho. ‘Se ele tiver que mudar pra ficar bom pra mim, vai ficar ruim pra ele’. Esse espaço de empatia, amor, carinho, ele pode ter sido podado dos homens, mas nunca foi proibido. Todos os homens podem tomar posse de todas essas coisas e transformar esse cenário”, reflete.  

Como apontam educadores, a evasão parental será superada no instante em que a sociedade deixar de lado conceitos conservadores, que insistem em desassociar homens de características naturais, como a sensibilidade. Nesse sentido, Alexandre Mortágua é convicto em exaltar os efeitos positivos dos debates sobre gêneros.

“Essa dicotomia maternidade x paternidade surge a partir do nascimento. A partir da tal ‘ideologia de gênero’, que existe sim e é colocar roupa rosa num bebê com vagina e roupa azul num bebê com pênis. Discutir paternidade é, intrinsecamente, discutir todas as estruturas da sociedade (capitalista), porque ela é baseada nisso. No provedor, no Messias, em Cristo, no Santo, na mãe e na puta. Sempre que surgem discussões como ‘gênero’, ‘sexualidade’, o ponto de partida é o outro. O outro de quem? O outro do homem, o outro do hétero, o outro do cisgênero. O gênero é a mulher, a sexualidade é a não-heterossexualidade. Entende?

Nenhuma dessas discussões é natural ao homem cisgênero heterossexual. E por que não é? Acho que essa é uma das questões poderosas do filme: por que a paternidade não é instinto? Por que a maternidade é? Não pode ser uma questão puramente hormonal.

A gente precisa discutir suicídio entre homens, os tais ‘crimes passionais’. Não são homens doentes. São homens criados dentro de todas as estruturas da nossa sociedade”.

Talvez o Brasil esteja caminhando nesta direção. Sim, a estrada é longa, mas a realização de discussões sobre a legalização do aborto em instâncias como  Superior Tribunal Federal, indicam que os tempos estão mudando.

“Eu acho que parte de uma nova percepção do que é a mulher. Que ela não veio de uma costela, que ela não precisa de cuidado, não precisa de um provedor.

Eu não tenho que ser a favor ou contra o aborto, eu nunca vou engravidar. A minha opinião, como homem cisgênero, não importa. Dito isto, acho que a gente precisa repensar que mundo nós estamos proporcionando pras pessoas. E digo isso em todos os níveis. Fico pensando em quantos sonhos morreram na casca por causa de uma gravidez indesejada.

Todos nós 5 Milhões é trabalho da produtora O Baile e tem previsão de estreia para maio de 2019. E, Alexandre Mortágua já traça o futuro no cinema.

“É o meu primeiro filme. Eu já comecei a levantar o meu próximo filme, é um documentário sobre a operação Tarântula, que prendia pessoas trans no centro da cidade de São Paulo. Acho que esses dois filmes juntos podem dar essa ideia. Eu penso em poucas coisas sobre isso de ‘carreira’: sei que eu vou continuar usando o cinema nessa investigação sobre mim mesmo”.

Publicidade Anuncie

Fotos: foto 1: Fernanda Liberti/foto 2: Reprodução/Instagram/foto 3: Reprodução/Instagram


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após pressão de ambientalistas, Ibama nega licença para exploração de petróleo nos Corais da Amazônia