Debate

Filho do ex-jogador Edmundo produz filme sobre abandono paterno

por: Redação Hypeness

Alexandre Mortágua encarou uma longa batalha para fazer valer o direito de saber quem era seu pai. Filho do ex-jogador de futebol e atual comentarista esportivo Edmundo, Alexandre foi reconhecido pelo ex-atleta por meio de teste de DNA.

Aos 23 anos, ele acaba de lançar Todos Nós 5 Milhões. Dirigido, escrito e produzido pelo jovem, também filho de Cristina Mortágua, o documentário se concentra justamente nos inúmeros casos de abandonos paternos.

Em entrevista ao jornal Extra, Alexandre admite que ainda não tem uma relação próxima com Edmundo, entretanto, em função da fama do pai, preferiu manter sua história pessoal fora do filme.

Filho de Edmundo precisou de anos de terapia para entender o abandono

“Não queria espetacularizar minha vida. Meu pai é uma pessoa pública, e é complicado falar dos ídolos das pessoas, ainda mais quando esses ídolos são homens”, explica.

O título do longa nasce a partir de dados divulgados pelo Censo Escolar de 2013 de que existem pelo 5,5 milhões de crianças sem reconhecimento paterno no  Brasil. O Estado do Rio de Janeiro lidera o ranking, com 677.676 crianças sem a filiação completa. Na sequência aparece São Paulo, com 663.375 crianças que não conhecem o pai.

Para Alexandre, formado em Artes Visuais e homossexual assumido, o filme só foi possível depois de anos de terapia para, de alguma forma, amenizar os efeitos do abandono paterno.

“Foram anos de terapia resolvidos como esse trabalho. Pensei muito como faria esse filme porque tem um pouco da minha vida também”, explicou em entrevista ao canal Hel Mother, no Youtube.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Por que mesmo apoiando luta, Alessandra Negrini não deveria se ‘vestir’ de índia no Carnaval