Debate

Jovem é proibida de ter pets por 5 anos após animal vítima de maus-tratos perder olho

por: Redação Hypeness

Maus-tratos aos animais é coisa séria. Depois da cidade de Florianópolis enquadrar nesta categoria pessoas que mantêm seus cachorros presos por um grande período de tempo, foi a vez de uma garota ser proibida de ter um cão.

A jovem escocesa Emily Paton não alimentava seu rottweiler direito, além de não ter procurado tratamento para o problema ocular do animal. Com isso, foi impedida de ter uma animal de estimação por cinco anos.

A cachorra Tia foi encontrada pela Sociedade de Prevenção de Crueldades Contra Animais (SPCA) extremamente magra e em condições degradantes. A cadela precisava urgentemente passar por um processo cirúrgico para a remoção  do olho direito. Tia foi entregue para outra família e está em processo de recuperação.

Tia está recebendo carinho e sendo cuidada por outra família

Além da restrição de meia década, Paton, de 19 anos, vai ter que prestar 100 horas de serviços comunitários durante um ano. Diante da Justiça, a jovem admitiu o descaso e ter causado sofrimento desnecessário ao animal.

“Tia mal conseguia ficar de pé e estava em péssimas condições. Ela precisava de cirurgia urgente para retirar o olho direito, que havia se rompido. Durante a operação, descobriu-se que o olho esquerdo estava prestes a se romper, então foram precisos cuidados adicionais para salvar a visão dela”, disse à BBC Robyn Gray, funcionário do SPCA.

A situação chama a atenção pela insistência de algumas pessoas de maltratarem seus animais de estimação. No Brasil, infelizmente, a história não é muito diferente disso.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Fundadora do Nubank diz que é difícil contratar negro e que não quer ‘nivelar por baixo’