Debate

Metade das jogadoras de futebol não tem salário nem contrato

por: Redação Hypeness

Que as mulheres que se dedicam ao futebol profissional enfrentam enormes desafios por causa da falta de investimento no esporte não é segredo algum. E uma pesquisa realizada com 3500 atletas ajuda a entender como o cenário é preocupante.

Realizado pelo Sindicato Internacional de atletas do futebol (FIFPro) e a Universidade de Manchester, o estudo entrevistou jogadoras que atuam em clubes de elite em países das Américas, Europa, Ásia e África.

Todas as profissionais jogam pela seleção nacional ou na primeira divisão de seus países, incluindo alguns que são referência no esporte (Alemanha, Inglaterra e EUA, por exemplo). O relatório indica que 49,5% das jogadoras não recebe salário dos clubes para jogar. E as que recebem são mal remuneradas: mais de 60% recebe 600 dólares ou menos por mês (a quantia é também o valor médio dos salários), e 37% dizem conviver com atrasos no pagamento.

Além disso, só 47% das jogadoras têm contratos formalizando a relação com o clube. O estudo foi publicado pelo site Dibradoras, dedicado ao futebol feminino, que entrevistou Aline Pellegrino, ex-capitã da seleção brasileira e coordenadora de futebol feminino da Federação Paulista de Futebol.

Segundo ela, “O Brasil não atingiu o número de respostas suficientes pra entrar nos dados da pesquisa, mas acho que não teríamos grandes surpresas de acordo com o que o resultado da pesquisa mostra nos outros países”.

Aline elogia a iniciativa de se fazer a pesquisa para coletar dados que ajudem a entender os pontos mais urgentes para investir no esporte e mudar a condição das atletas, que, ainda que siga muito abaixo do merecido, tem melhorado nos últimos anos, com melhores estrutura e condições de trabalho.

Os clubes brasileiros têm criado equipes de futebol feminina, seja por iniciativa própria ou por determinação das confederações. Apesar dos baixos salários e da pouca visibilidade, que dificulta a relação entre torcida e jogadoras, as coisas têm evoluído.

“”Tenho certeza que quando essa pesquisa for feita novamente vamos ter números melhores do que nessa. A maior prova disso é que no Brasil, por exemplo, se fizéssemos essa pesquisa 5 anos atrás, não teríamos nenhum atleta com carteira assinada. Hoje já temos. Daqui a 5 anos, vamos ter ainda mais”, acredita Aline.

Publicidade

Fotos via FIFA


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Dony quebra código de ética e é repreendido pela Globo