Debate

Polícia identifica autor de crimes contra pesquisadora da UnB que defende aborto

por: Redação Hypeness

Desde que seu nome veio à tona, a professora da UnB, Debora Diniz está sofrendo com ameaças de morte. Ela precisou deixar o trabalho e a capital federal em função de sua posição favorável a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gestação.

Na última segunda-feira (6), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) anunciou a identificação, por meio da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), do autor do crime praticado contra a antropóloga.

De acordo com as investigações, o homem tem 42 anos e mora em São José dos Pinhais, no Paraná. A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que a identidade do suspeito vai ser revelada em coletiva de imprensa.

“Foram ofensas à honra, com palavras de baixo calão, seguidas de falas de que pessoas como ela [pesquisadora] deveriam sangrar até morrer”, relatou ao G1 a delegada Especial da Mulher Sandra Melo.

A fala da antropóloga no STF foi bem recebida

A investigação foi conduzida a partir do IP – número de identificação – do computador de onde partiram as ameaças. No endereço na cidade paranaense, os policiais apreenderam um computador, além de terem autuado o proprietário pelos crimes de injúria e ameaça.

A corporação relatou que, durante o depoimento o homem – com passagens pelas delegacias do estado por lesão corporal e porte ilegal de arma, permaneceu calado. As investigações comprovaram sua ligação com grupos de extrema-direita da região.

Um morador de Ceilândia, cidade satélite de Brasília, também foi localizado. Com boletins de ocorrência em mãos, ele diz que teve o chip furtado.

Debora Diniz, detentora do prêmio Foreign Policy como uma das 100 pensadoras globais de 2016, está no comando do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero (Anis). Na segunda-feira participou, com escolta policial, de audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) comandada por Rosa Weber sobre a descriminalização do aborto.

No mês de julho a reitora da Universidade de Brasília, Márcia Abrahão, divulgou cata de apoio atestando que tais ameaças “atentam contra direitos humanos e liberdades fundamentais”.

“Não é absolutamente admissível que se faça oposição à sua atuação ou proposições em termos difamatórios ou ameaçadores”, disse ressaltando a defesa dos direitos das mulheres feita por Debora.

Os insultos foram registrados pela professora da UnB no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) junto com um pedido de inclusão no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH), do governo federal. Debora conta com medidas protetivas.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Não bastasse ser vítima de racismo, Taison é suspenso na Ucrânia