Ciência

‘Stranger Things’? Museu em Seattle recria infância e adolescência nos anos 1980

por: Redação Hypeness

O mundo mudou muito da década de 1980 para cá, e tais transformações podem ser vistas não somente em grandes e mais evidentes temas mas também nos cenários mais habituais e cotidianos. Quem não tem hoje entre 30 e poucos e 40 e poucos anos simplesmente não podem ter real ideia de como era, por exemplo, o quarto de um adolescente dos anos 80 – ou não podiam: um museu de tecnologia em Seattle recriou, em atual exposição, um típico quarto, uma sala de aula e um porão cheio de fliperamas, computadores e outros gadgets que tanto marcaram tal década.

Essa verdadeira máquina do tempo foi intitulada “Totally 80’s rewind” (algo como “rebobinando totalmente aos anos 80”, em tradução livre), e está em exposição no The Living Computers Museum. Os cenários reconstruídos (baseados evidentemente no imaginário norte-americano da década) revelam um universo repleto de videogames antigos, telefones com fio, típicos computadores da Apple e vitrolas rodando discos de vinil.

Pela própria natureza do museu, a exposição é centrada especialmente na revolução tecnológica que começava a acontecer à época – e que hoje parecem tão arcaicos quanto descobertas arqueológicas. A exposição permite, é claro, que os fliperamas e o primeiro console da Nintendo – o famoso “Nintendinho” – sejam jogados. Além da diversão, a “Totally 80’s rewind” também oferece workshops sobre desenvolvimento de jogos e a história do microchip, entre outras atrações. A promessa é de entrar, diretamente de 2018, para a década de 1980 – e sair de lá um verdadeiro e nostálgico geek.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ele descobriu uma senhora de 92 anos vivendo na zona de exclusão de Chernobyl com seu filho