Debate

Tenista advertida por trocar de camisa mostra que o corpo feminino é um incômodo no esporte

por: Redação Hypeness

Ao que parece, não é só Serena Williams que está sofrendo com posturas conservadoras adotas por diretores dos principais torneios de tênis.

O comitê responsável por Roland Garros vetou o uso de uma roupa inspirada em Pantera Negra e escolhida pela norte-americana para prevenir problemas, como coágulos sanguíneos, gerados depois de dar à luz a sua primeira filha.

Desta vez, a polêmica se instaurou no U.S. Open. Durante partida contra a sueca Johanna Larsson em Flushing Meadows, a tenista francesa Alizé Cornet expôs rapidamente suas costas e aparentemente chocou os oficiais norte-americanos.

A jovem havia colocado a camiseta ao contrário e resolveu trocar. Foi o suficiente para levar uma bronca do juiz de cadeira Christian Rask, que assinalava uma suposta quebra de conduta.

Para o juiz, mostrar uma parte do corpo feminino é quebra de conduta

O assunto suscitou um importante debate sobre condutas machistas no esporte. Para o tabloide britânico The Guardian, “a coisa mais perigosa no esporte é o corpo de uma mulher”.

Talvez eles tenham razão, já que em partidas protagonizadas por homens tirar a camiseta, hábito frequente em situações de extremo calor, é tratado com normalidade e não viola nenhum código de conduta.  

“Como [Serena] Williams, eu tenho um corpo que reflete a intensidade da minha carreira profissional. Sou naturalmente musculosa e como Williams, as roupas ficam destacadas em mim simplesmente por causa da minha construção. Nós não somos a versão idealizada do conceito de feminilidade e por isso somos punidas”, reflete a golfista norte-americana Anya Alvarez.

A repercussão negativa forçou os responsáveis pelo Aberto dos Estados Unidos emitirem uma nota condenando a postura do juiz de cadeira. “Lamentamos que uma violação de código tenha sido imposta à senhorita Cornet ontem. Esclarecemos a diretriz para que isso não aconteça daqui em diante. Felizmente ela só recebeu uma advertência, sem nenhuma penalidade adicional ou multa”.

Serena Williams também foi vítima de perseguição

Mas, o estrago já está feito e revela mais uma vez os efeitos do machismo. Judy Murray, mãe de Andy Murray – campeão britânico de Wimbledon e do Aberto dos EUA, criticou a diferença de tratamento entre homens e mulheres.

“Alizé Cornet voltou à quadra após uma pausa de 10 minutos devido ao calor. Estava com a camisa nova do lado contrário. Trocou-se no fundo da quadra. Foi punida por violação de código. Conduta antidesportiva… mas os homens podem trocar de camisa na quadra”, escreveu no Twitter.

A WTA, Associação de Tênis Feminino, também saiu em defesa de Alizé. “A WTA sempre foi e será uma pioneira para as mulheres e os esportes femininos. Esta violação de código ocorreu de acordo com as regras do Grand Slam, e estamos satisfeitos de ver que a USTA agora mudou essa diretriz. Alizé não fez nada errado”.

Publicidade

Fotos: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Felipe Neto defende veganismo e vídeo bate 1 milhão de visualizações