Inovação

24 horas no meu WhatsApp revelam (quase) tudo sobre mim

Patrocinado por: Mastercard
Danilo Gonçalves - 27/09/2018

O parênteses desse título se deve ao fato de eu não ter me adicionado no meu próprio WhatsApp. E aí ficou difícil falar comigo mesmo. Fora isso, tenho a convicção de que todas as cenas da minha vida são discutidas por lá. Juro para vocês.

Essa conclusão surgiu depois de ter passado as 24 horas de um dia (exceto os cerca de 360 minutos que tirei para dormir – e olhe lá!) monitorando minha vida de usuários de WhatsApp.

E, bem, eu não estou sozinho:

Pessoas do mundo já passaram 85 bilhões de horas no WhatsApp nos últimos 3 meses, de acordo com a empresa de análise de aplicativos Apptopia. O Facebook, para você ter uma ideia, consumiu 31 bilhões de horas das vidas das pessoas. Ou seja: Se você acha que passa muito tempo no Facebook é porque não calculou seu tempo no “Whats”.

São 85 bilhões de horas representam 3,5 bilhões de dias ou 9.582.650 anos, para ser exato. E isso tudo daria, em média, 11,4 horas para cada ser humano no planeta batendo papo, resolvendo problemas, trocando memes e fingindo que não viu a mensagem de alguém.


‘Se eu fosse uma estátua parisiense, provavelmente estaria checando as novidades no Zap’

Sou bastante fã do WhatsApp. Resolvo um monte de demandas do trabalho e ainda sinto que fico mais próximo de todo mundo que preciso na vida.

Não posso negar, que, como um bom capricorniano, estar online 24 horas por dia já me causou muita ansiedade. “Ai, preciso responder” ou “Ixi, se eu não responder agora…” eram frases recorrentes na minha mente toda vez que tinha mensagens e não respondia. De um tempo para cá, aprendi a controlar esse efeito devastador das informações sobre visualização e de mensagem vista (Double check, por que faz isso comigo?).

‘Filho, pede um Uber para mim?’

Minha carga horária de WhatsApp começa às 7h15, já acompanhando o primeiro toque, o do despertador. E sigo respondendo mensagens até mais ou menos meia noite, diariamente.

No dia que tirei para monitorar minha vida pelo WhatsApp aqui para o Hypeness, a primeira mensagem veio mais cedo: 6h48, para ser exato. Era minha mãe querendo que pedisse um Uber para ela. Era dia de rodízio e ela não estava conseguindo chamar um carro. Minha mãe atrasada e eu, ainda com os olhos meio fechados e meio abertos. Bom, pedi o tal Uber. Ainda liguei para o motorista para dizer que a passageira era a Regina, minha mãe.

Bom dia, gente. Este é meu WhatsApp após uma noite linda de sono

Trabalho, sobrinho e maridão. O que é que não faço pelo Zap, né?

Normalmente, quando não tenho pedidos desesperado pela manhã, ao abrir os olhos já tenho uma noção do que rolou na última madrugada. Quase sempre são os grupos rolando e, não raramente, alguma mensagem de trabalho (capricórnio, lembram?).

No caminho para o trabalho, principalmente quando vou de ônibus, já mando bom dia e aquele happy hour pro fim do dia. É aquilo: me divertindo e já organizando meu dia. Das 9h às 18h, 90% do meu “Whats” é trabalho mesmo.

Durante o almoço do dia de monitoria para o Hypeness liguei para minha mãe do WhatsApp mesmo (economia, babies). Ultimamente, tenho sido presenteado com fotos do meu sobrinho que tem menos de 2 meses. Sou tio babão, sim, e minha mana me manda fotos das “primeiras vezes efêmeras” do Arthur.

Toda a tensão profissional foi suavizada às 14h32 quando recebi da mana uma foto bem risonha do sobrinho mais novo e um áudio com as primeiras “palavras” proferidas por ele. Sorri e mandei uns 22 “<3” (emoticons de coração).
Neste mesmo dia, pelo Zap, resolvi um ruído de comunicação com um cliente da agência em que trabalho. Foram trocas intensas de mensagens de texto, áudio, prints e até uma mensagem de voz que, no final, terminaram com um “obrigado pela atenção :D”. Eba! Grande satisfação profissional do dia!

No caminho pra casa, começando a querer desacelerar do dia normalmente intenso, gravo um áudio pro meu marido para decidir sobre a janta ou o lugar aonde vamos beber/comer algo.

Às 20h é a hora oficial de falar por videochamada com meu sobrinho mais velho, de 3 anos apenas, que me contou os detalhes do que fez na escola naquele dia. Uma loucura porque temos feito isso desde que ele sabia falar apenas 12 palavras até hoje que sabe falar todas e, claro, agora é ele mesmo conduz o encontro virtual.  

 


Sejam educados e deem um alô para a minha irmã, gente!

Nos últimos meses, na hora da novela das 21h, além de compartilhar uns memes e dar risadas com os amigos, comentamos cada cena com os mais fanáticos. O pior é quando na melhor cena eu não sei se escrevo, gravo ou assisto a cena – ah, e quando alguém fica digitando….ando….ando….ad eternum. Mas ok, sobrevivemos! Quem nunca?

 

Papo sério, né? Na verdade, não. Tem de tudo um pouco no dia

 

Mais tarde, durante a série (sempre estamos assistindo uma aqui em casa), dou uma segurada, sim. Ah, meu celular há alguns meses tem estado 100% do tempo no silencioso, pois minha ansiedade não dava conta dos pins a cada 2 minutos. Passo muito bem obrigado com gadget mudo.

Quando me dei conta já eram 23h30. Mensagens do grupo dos amigos, vou respondendo umas por áudio, afinal os dedos já estão, sim, cansados. Vou pra cama, mas não durmo sem antes dar aquela última deslizada nas timelines e compartilhar mais alguns memes ou mandar um gif básico pras mensagens que não respondi como gosto.

A mensagem que fechou o dia era um debate saudável com meu primo, com quem mantenho basicamente um contato de WhatsApp mesmo, ainda que intenso, tratando da corrida eleitoral. Mas nem vamos entrar nesse tópico… Apenas digo que trocamos umas 10 mensagens de texto e duas de áudio, para encerrar a conta do dia.

 

Ahh taaaaaaaaaaaaaaaaaaa

 

Eu até prefiro o calor do olho no olho. Mas sem o WhatsApp seria muito pior

Fato que as conversas virtuais não substituem, pelo menos pra mim, os encontros presenciais. Mas, nos últimos tempos, o WhatsApp tem sim me mantido próximo de quem eu gosto.

O que essas 24 horas de WhatsApp dizem sobre mim? Que sou alguém que se define pela troca constante com as pessoas que amo, confio e/ou estão comigo nos rolês da vida. Que não sou o cara capaz de viver sozinho. Nem quero. Modéstia à parte, mas adoro me expressar de outras formas por foto, por texto, por áudio (rs) ou por um simples emoji. Então, viva o WhatsApp, minha gente.

A Claro tem muitas vantagens para seus clientes pré ao pós quando o assunto é permanecer conectado ao WhatsApp full time. Os serviços da operadora contam com uma rede novinha que garante a velocidade mais rápida do Brasil, além de uma cobertura 4.5G incrível! Dos planos Pré aos planos Pós, os clientes têm acesso ilimitado ao WhatsApp, tanto para mensagens de voz quanto para chamadas de vídeo. Que loucura para os heavy users como eu.


Ainda está gastando para usar as maravilhas do Zap? Ah, não… Corre lá e descubra o plano que faz mais sentido para você.

Publicidade

Reprodução / Arquivo Pessoal


Danilo Gonçalves
Chegar aos 30 foi revolucionário para o que vejo e sinto. Ainda assim, continuo o cara alegre, curioso e pronto para resolver problemas e atender demandas que surgem do nada. Pode mandar que estou aqui. Gosto de um bom som, de Michael Jackson e Beyoncé, mas não nego agudos e graves bem cantados e, claro, um bom pancadão.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Bengala inteligente’ para deficientes visuais é novo golaço da ciência