Ciência

Lambidas de cachorros no rosto podem causar doenças?

por: Redação Hypeness

A ciência já provou que o amor que sentimos por nossos catíoros é exatamente o mesmo que temos pelos nossos filhos, mas será que algumas pessoas exageram ao tratá-los como verdadeiros humanos, permitindo que eles durmam em suas camas, compartilhem sua comida e lambam o seu rosto? De acordo com Manuel Sánchez Angulo – Professor de Microbiologia da Universidade Miguel Hernández de Elche, sim.

Existem outras maneiras de demonstrarmos carinho e afeição pelos nossos cães, que não seja com lambidas no rosto, já que eles não possuem consciência do que tocam com seus focinhos. Os cachorros costumam lamber o chão, outros cães e até mesmo fezes e, isso pode nos transmitir bactérias, vírus, fungos e parasitas que podem causar doenças.

Isso não quer dizer que precisamos parar de brincar com nossos animais, porém devemos manter certos padrões de higiene: “Que as lambidas nunca toquem na boca, nos olhos, no nariz ou em uma ferida”, explica Ignacio López-Goñi – autor do livro ‘Microbiota: los Microbios de tu Organismo’.

O estudo mostra que, se o animal e o humano estiverem saudáveis, as lambidas não representam perigo à saúde, porém, é essencial que a família todas as vacinas em dia, principalmente as contra raiva e leptospirose com seus diferentes sorotipos, o parvovírus, a cinomose e a hepatite.

Quando chegamos em casa e somos recebidos com festa e intensa demonstração de amor (que raramente recebemos dos humanos), não resistimos, certo? Mas não custa nada deixar seu cachorro longe das fezes de outros cães e lavar as mãos e o rosto depois de uns beijinhos, não é mesmo?

Publicidade

Fotos: Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Otimistas vivem mais do que pessimistas, aponta pesquisa