Viagem

Para combater solidão, japonesa cria bonecos de moradores de seu vilarejo que se foram

18 • 09 • 2018 às 09:37 Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

O pequeno vilarejo de Nagoro, localizado ao sul de Shikoku, a menor e menos visitada das ilhas do Japão, vem vendo ao longo dos últimos anos sua já diminuta população, que antigamente não passava de 300 habitantes, reduzir ainda mais – e drasticamente. Em meados de 2016 a população de Nagoro era de 30 pessoas, e o vilarejo parece fadado à extinção. Uma dessas habitantes, porém, vem contornando de forma singular e artística (ainda que um tanto assustadora) a solidão e a ausência dos que não estão mais entre nós: a artista Tsukimi Ayano, de 67 anos, cria bonecos como manequins em tamanho real, reproduzindo seus vizinhos que foram embora ou faleceram.

O vilarejo só possui uma rua, que queda quase totalmente abandonada – a ausência de jovens fez com que a única escola de Nagoro fosse fechada. A própria Tsukimi é uma das habitantes mais jovens de lá, e seu trabalho fez com que Nagoro passasse a ser conhecida como o “Vilarejo dos espantalhos”.

Hoje já são cerca de 400 bonecos espalhados pela cidade, reproduzindo, por exemplo, os últimos alunos a estudarem dentro da sala de aula, duas senhoras conversando em um banco ou famílias inteiras reunidas.

Tudo começou há 15 anos, quando Tsukimi retornou à cidade para reencontrar seu pai – que se tornou a primeira pessoa imortalizada com um boneco. Ela própria carrega com ela um boneco para lhe fazer companhia quando dirige para fazer compras na cidade grande mais próxima. E, de certa forma, seu desejo de manter viva uma cidade quase fantasma deu certo: hoje, por conta de seus bonecos, Nagoro passou a receber turistas que cruzam as montanhas da região para conhecer os espantalhos – trazendo justamente um tanto de vida de volta ao vilarejo.

Publicidade

© fotos: divulgação


Canais Especiais Hypeness