Seattle, nos EUA, limpa ficha de quem foi detido por posse de maconha
Debate

Seattle, nos EUA, limpa ficha de quem foi detido por posse de maconha

por: Vitor Paiva

A corte municipal da cidade de Seattle, nos EUA, decidiu por corrigir uma terrível e custosa injustiça, e limpar a ficha das pessoas detidas por posse de maconha na cidade. A decisão irá afetar 542 casos processados entre 1996 e 2010. A maconha é legalizada no estado de Washington desde 2012. A ideia do juiz por trás da decisão é que a medida inspire outras cidades a fazerem o mesmo, em especial em um país com a imensa população e cultura carcerária como são os EUA.

“Para muitas pessoas que chamam Seattle de casa, uma condenação menor por posse de maconha cria barreiras para oportunidades, como bons empregos, empréstimos, financiamentos e educação”, disse o prefeito Jenny Durkan, celebrando a decisão. O êxito da legalização da maconha na cidade ajudou a ilustrar a dimensão das injustiças cometidas em nome da inócua guerra às drogas. A decisão da corte, segundo o prefeito, ajuda também a corrigir o mal causado pelo racismo com que a justiça costuma ser conduzida nesses casos.

“A guerra às drogas em grande parte se tornou uma guerra às pessoas que precisam de oportunidades e tratamento. Enquanto não conseguimos reverter todo o mal causado, temos que fazer nossa parte para dar aos residentes de Seattle – incluindo imigrantes e refugiados – um estado limpo”, disse o prefeito. O estado de Washington foi o primeiro dos EUA a legalizar o uso recreativo da maconha, com vasta aprovação entre a população.

Loja em Seattle

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Prefeito e médico abusa de mulheres e filma crimes há décadas no Ceará