Debate

Segunda temporada de ‘Making a Murderer’ já tem data para ser lançada na Netflix

Vitor Paiva - 28/09/2018

Uma das mais interessantes e intrigantes séries lançadas pelo Netflix, depois de três anos Making a Murderer irá voltar com uma série de novos episódios. E, diferentemente da expectativa que novas temporadas costumam provocar, nesse caso a volta é realmente esperada: ninguém que assistiu a primeira leva dessa série documental não a terminou sedento por mais informações e recheado de perguntas que essa segunda temporada promete responder ao máximo.

Making a Murderer conta a incrível e confusa história de Steven Avery, um americano que passou 18 anos preso por assassinato e abuso sexual, para enfim ser inocentado por um teste de DNA. Dois anos depois de solto, Steven e seu sobrinho foram presos pelo estupro e assassinato de Teresa Halbach – e uma sucessão de erros, atropelos, questionamentos, intrigas, complôs, manipulações e conflitos de interesses passaram a marcar um controverso julgamento.

A série volta, portanto, para tentar mostrar não só o que aconteceu após o fim da primeira temporada, como para tentar responder a algumas das infinitas questões que Making a Murderer deixou no espectador.

Novos advogados, destinos e personagens serão apresentados nessa incrível história, que volta ao Netflix no dia 19 de outubro. Para quem não viu, a primeira temporada da série está disponível na plataforma.

Publicidade

© fotos: divulgação/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutor em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Casal diz que ataque racista contra jovem negro no Leblon não foi por causa da cor de pele