Debate

Este homem homenageou uma seita racista e fez o símbolo do nazismo. Tudo em uma festa de Halloween

por: Redação Hypeness

A turma de uma academia de Crossfit no interior de São Paulo resolveu celebrar o Halloween. A festa, tradicional nos Estados Unidos, acontece no dia 31 de outubro.

Os alunos do espaço localizado em Araçatuba, se fantasiaram inspirados em personagens diversos, entre eles membros da seita racista Ku Klux Klan. Como se não  bastasse, teve ainda uma saudação a Hitler.

Além de ter tido coragem de andar na rua representando o membro de um dos grupos mais racistas que se tem notícia, o rapaz postou a fotografia na própria rede social. Mas, o garoto não estava satisfeito. Ele posou para uma foto fazendo o símbolo nazista.

Primeiro, ele homenageou uma seita racista

As pessoas ficaram irritadas e surpresas com a postura racista e preconceituosa do aluno e criticaram a academia. A Interact lamentou o ocorrido, “pedimos desculpas pelo ocorrido, mas a festa era aberta ao público e não temos como controlar a fantasia de cada pessoa”.

Curioso, é que a própria academia postou as imagens em seu perfil no Instagram. Segundo o dono, Marcos Freitas, para não excluir o garoto.

Depois, ele reproduziu uma gesto nazista

Recentemente, David Duke – ex-líder da Ku Klux Klan, elogiou o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). “Não estou apoiando Bolsonaro, apenas disse que gosto dele”.

Desde o século 19, a Ku Klux Klan defende a supremacia branca. Ao longo dos anos, a seita foi responsável por inúmeras mortes e casas incendiadas. Entre 1956 e 1963, foram 29 mortos.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Carrefour: ex-fiscal diz que violência era lei em loja onde Beto Freitas, vítima de racismo, foi espancado até a morte