Ciência

Os benefícios científicos e cognitivos de deixar os bebês descalços

Redação Hypeness - 18/10/2018 | Atualizada em - 17/10/2018

Quem tem bebês em casa sabe a briga que é para os pequenos usarem calçados.

Mas você já pensou que deixá-los descalços também pode trazer muitos benefícios?

É o que aponta uma pesquisa realizada pela Universidade Complutense de Madri. De acordo com o estudo, crianças que permanecem calçadas podem ter seu desenvolvimento cognitivo e motor afetado, visto que o uso de sapatos reduz a sensibilidade e os movimentos dos pés.

Um dado que chama a atenção é o fato de que recém-nascidos têm mais sensibilidade nos pés do que nas mãos até completar oito ou nove meses. Portanto, se os pés estiverem calçados, suas impressões sensoriais irão diminuir.

Não devemos reprimir a sensibilidade táctil dos pés calçando-os, pois informam sobre o mundo exterior, transmitindo sensações de temperatura, texturas… que favorecem o desenvolvimento psicomotor da criança“, diz o artigo, de autoria de Isabel Gentil García.

Além disso, a pesquisa destaca que é necessário que a planta do pé do bebê entre em contato com superfícies irregulares, capazes de estimular sensações sinestésicas e reflexos na postura. “A criança precisa de estímulo táctil, de pressões, de irregularidades do terreno para desenvolver a propriocepção, melhorar a posição das articulações e reforçar a musculatura“, destaca o texto, disponível na íntegra neste link.

Partiu tirar o sapatinho dos bebês?

Publicidade

Fotos via Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Nova espécie de libélula é descoberta no interior de São Paulo