Inspiração

Seleção feminina da Jamaica vai jogar Copa do Mundo com apoio da filha de Bob Marley

por: Redação Hypeness


A seleção da Jamaica de futebol feminino fez história e vai disputar a Copa do Mundo de futebol pela primeira vez.

Chamadas de Reggae Girlz, as jovens garantiram vaga no torneio mais importante da modalidade ao vencerem o Panamá por 4 a  2 nos pênaltis, a partida havia empatado em 2 a 2.

A conquista é histórica, pois nunca um país caribenho havia conseguido disputar o Mundial feminino, que acontece em 2019, na França. Aliás, o feito da seleção feminina chega 20 anos depois da equipe masculina ter estreado em sua primeira Copa do Mundo, em 1998, também na França.

A família Marley ajudou o sonho virar realidade

Sabe quem tornou o sonho realidade? Além das garotas, claro a filha de Bob Marley, Cedella, que atuou como representante do futebol feminino jamaicano. A primogênita da família Marley apoiou financeiramente e também fez questão de levar o nome do time de futebol para todos os cantos do país.

Em 2014, Cedella Marley se tornou embaixadora oficial da seleção jamaicana de futebol feminino e durante o período utilizou a Fundação Bob Marley para atrair contratos de patrocínio.

“Durante os pênaltis nós ficamos no chão. Meu pai não estaria surpreso, pois quando eu coloco meu pé, alguma coisa acontece. Ele estaria orgulhoso de mim”, disse à BBC.

A técnica da seleção, Hue Menzies, também reconheceu a importância da figura de Cedella. “Parabéns pra ela por colocar seu pescoço por nós. Nós vamos para casa celebrar a mudança de percepção sobre o poder da mulher”.


Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Jovem norueguesa monitora quase 500 perfis nas redes sociais para evitar suicídios