Arte

Sesc Pompeia ganha exposição sobre os 100 anos da Bauhaus

por: Vitor Paiva

Publicidade Anuncie

Para homenagear o legado da primeira e mais importante escola de design do mundo, o Sesc Pompéia acaba de inaugurar a exposição bauhaus imaginista: Aprendizados Recíprocos. A mostra é parte de uma grande comemoração internacional pelo centenário da Bauhaus, escola que reunia arquitetura, arte e design fundada na Alemanha em 1919 e fechada pelos nazistas em 1933.

Cerâmicas, têxteis, desenhos, utensílios, livros originais da biblioteca da Bauhaus, cartazes, fotografias, publicações, correspondência e vídeos, a exposição reunirá cerca de 300 trabalhos de 30 artistas ligados à escola. A mostra também traz artistas e obras influenciados pela Bauhaus, como uma amostragem do legado posterior da escola – o Brasil é a conclusão da exposição, com o trabalho da arquiteta Lina Bo Bardi, uma das fundadoras do Instituto de Arte Contemporânea, fundado em 1951 como a primeira escola de Design do país, em São Paulo, com influências diretas da Bauhaus.

Fazem parte da bauhaus imaginista nomes como Paul Klee, Anni e Josef Albers, Ahmed Cherkaoui entre muitos outros, além dos brasileiros Lina Bo Bardi, Lygia Clark, Rogério Duarte, Elisa Martins da Silveira, Hélio Oiticica, Lygia Pape, Ivan Serpa e Paulo Tavares. A exposição é uma parceria do Sesc São Paulo com a Bauhaus Kooperation Berlin Dessau Weimar, o Instituto Goethe, com apoio do Ministério da Cultura e do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, entre outros.

Publicidade

Serviço:

Sesc Pompeia: Rua Clélia, 93 – Área de Convivência

De 25 de outubro a 06 de janeiro de 2019

Horários: Terça a sexta, 10h às 21h30. Sábado, domingo e feriado, 10h às 18h

Entrada gratuita

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Por que assistir ‘Mid90s’, o filme de skate que faz graça da masculinidade tóxica dos anos 1990