Debate

Após vaias no Brasil, Roger Waters é condecorado como ‘cidadão ilustre’ no Uruguai

08 • 11 • 2018 às 09:54
Atualizada em 12 • 11 • 2018 às 10:30
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Qualquer fã minimamente atento da banda inglesa Pink Floyd sabe que uma das afirmações essenciais de seu trabalho, em especial nas obras do baixista e compositor Roger Waters, é a posição contra o fascismo no mundo. Pois o momento político brasileiro é tão incomum que, em sua passagem recente por aqui, Waters foi vaiado por justamente se posicionar contra o fascismo em seus shows.

Sua turnê, porém, continua, e ao chegar no Uruguai, a gritante diferença cultural e política entre nosso momento atual e de nossos vizinhos gritou mais uma vez: por lá, Roger Waters foi condecorado como “visitante ilustre” da capital Montevidéu.

O baixista e compositor Roger Waters

Em seu show no Uruguai no último dia 3, Waters não só celebrou a importância de um país que, “mesmo com uma pequena população, é enorme em termos de influência para o mundo”, como também celebrou o ex-presidente Pepe Mujica. “Agradeço a Pepe Mujica, entre outros, por ter tido a inteligência e o coração para sugerir que existem outros caminhos, o caminho da comunidade. Todos temos que aprender a atuar como uma comunidade global de humanos”, disse Waters.

Acima, telão contra o fascismo em show de Waters em São Paulo; abaixo, o músico em Montevidéu

As críticas às políticas atuais não pararam: o ex-baixista do Pink Floyd ainda parabenizou o Uruguai por “rejeitar as políticas neoliberais” que dominam hoje o ocidente, e lembrou que é preciso acabar com a lacuna que separa “os imensamente ricos do resto dos seres humanos”.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness