Tecnologia

Como a tecnologia está ajudando a combater os maus tratos animais no cinema

por: Redação Hypeness

Nos Estados Unidos, abuso contra animais já é considerado crime. Porém, isso não impediu que muitos animais sofressem maus tratos durante gravações no cinema. Em 2017, o filme “Quatro Vidas de Um Cachorro” causou polêmica após a divulgação de um vídeo em que um cão é forçado a entrar em um tanque com água, apesar de aparentar estar apavorado.

Na época, a People for the Ethical Treatment of Animals (PETA), organização não governamental que defende os direitos dos animais, realizou um boicote à produção. Outro boicote foi feito este ano contra o filme “Alfa” que, segundo a organização, teria sido responsável pela morte de cinco bisontes. Apesar destes serem dois casos recentes, a história do cinema está cheia de histórias que envolvem abusos contra animais.

Elefante aparece em cena do filme “O Rei do Show”

Os registros datam desde 1918, quando o filme “Tarzan, O Homem Macaco mostrou um leão sendo esfaqueado até a morte pelo protagonista. No faroeste “Jesse James, de 1939, um cavalo foi obrigado a pular de uma ribanceira e morreu após quebrar a coluna. A comoção gerada pelo fato levou a American Humane Association (AHA) a monitorar o tratamento dado aos animais em Hollywood. Desde então, surgiu o selo informando que nenhum animal foi ferido durante uma filmagem.

Porém, mesmo após o monitoramento ter início, muitos animais continuaram sofrendo maus tratos. Nas gravações de “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada (2012), por exemplo, foram registradas 27 mortes, incluindo cavalos, galinhas, ovelhas e cabras.

No entanto, a tecnologia pode ser a solução para que mais nenhum animal seja ferido durante uma gravação. Em 1986, o primeiro animal criado em computador deu as caras na telona: uma coruja digital aparecia voando na abertura do filme “Labirinto – A Magia do Tempo”.

Coruja criada em computação gráfica aparece no filme “Labirinto – A Magia do Tempo”

O filme “O Rei do Show” é um exemplo perfeito de como essa tecnologia é aplicada nos dias de hoje. Embora conte a história de P. T. Barnum, um empresário circense que explorou pessoas e animais durante sua vida, a produção optou justamente por seguir na direção contrária, mostrando estar alinhada com os direitos dos bichanos.

As filmagens usaram apenas alguns cavalos reais, abusando da computação gráfica para recriar o aspecto de todos os outros animais que aparecem no filme, como contou o protagonista Hugh Jackman à revista Rolling Stone.

via GIPHY

Além de poupar vidas e resguardar os direitos dos animais, o uso da computação gráfica no cinema também pode gerar efeitos espetaculares, como prova o trailer da produção, que estreou este mês no Telecine Play.

Espia só:

Publicidade

Créditos das fotos sob as imagens


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Hyundai pretende lançar serviço de táxi robô gratuito ainda este ano