Ciência

Paulo Freire tem estátua na Suécia ao lado de Neruda e Angela Davis

por: Vitor Paiva

Quem não nasceu ontem por aqui sabe que o Brasil ama odiar seus mais importantes filhos da pátria. São diversos os exemplos de grandes brasileiros reconhecidos e celebrados em todo o mundo – menos por aqui. E nenhum outro nome é tão celebrado no mundo e, ao mesmo tempo, tão perseguido em seu próprio país como o educador Paulo Freire.

Além de ser reconhecido por lei como o Patrono da Educação Brasileira e de ser o terceiro teórico mais citado em trabalhos acadêmicos no mundo, Paulo Freire é o brasileiro mais homenageado e laureado em todos os tempos, com mais de 35 títulos de Doutor Honoris Causa de universidades em todo o planeta. Por acreditar que as populações mais pobres e oprimidas poderiam e deveriam recuperar sua humanidade através da educação, em seu próprio país ele vem cada vez mais sendo retratado como um mero doutrinador.

O educador brasileiro Paulo Freire

Um exemplo de tal reconhecimento internacional é a simbólica estátua de Paulo Freire em uma praça em Estocolmo, na Suécia. A estátua o localiza junto de outros seis nomes, reconhecidos como alguns dos mais importantes pensadores do século 20.

Estão ao lado de Freire na homenagem a feminista e sexóloga sueca Elise Ottesen-Jensen, a escritora sueca Sara Lidman, a intelectual e ativista pelos direitos negros norte-americana Angela Davis, o cientista e ecologista sueco Georg Borgström, o poeta chileno Pablo Neruda e o ditador chinês Mao Tsé-Tung.

A estátua em Estocolmo; Paulo é o segundo da esquerda para a direita

 A presença de Mao na estatua é evidentemente controversa e deslocada, e já houve intensos debates pela retirada do ditador da homenagem. A justificativa é o fato de seu “Livro Vermelho” ser, na prática, um dos mais influentes e vendidos trabalhos de teoria política do século.

Ainda assim, e especialmente diante da forte tradição democrática e progressista de um país como a Suécia, o significado da estátua é saber da importância do trabalho de Paulo Freire, que com sua “Pedagogia do Oprimido”, transformou e fundamentou um processo de transformação social em diversos lugares do mundo, como um dos mais importantes educadores da história.

Triste é pensar que, talvez pelo Brasil jamais ter se importado com a educação como se importava Paulo, é que hoje por aqui seu trabalho é cada vez mais perseguido – enquanto seguimos lançando a educação do país ao desespero.  

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
O que é a Pedra de Roseta, o mais importante documento arqueológico sobre o Egito Antigo?