Debate

Feliciano pode assumir ministério que ‘vai envolver tudo isso aí, mulher, igualdade racial, tá ok?’

por: Redação Hypeness

Jair Bolsonaro deu mais uma pista de como assuntos como machismo e equidade racial serão tratados em seu governo. “Vai ter um ministério que vai envolver tudo isso aí: mulher, igualdade racial, tá certo?”, disse o presidente eleito em entrevista na última terça (27).

Notícias vindas de Brasília dão conta que a Bancada Evangélica, que na semana passada vetou o nome de Mozart Neves Ramos, crítico do Escola Sem Partido, para o Ministério da Educação, indicou o pastor Marcos Feliciano para o comando do futuro Ministério da Cidadania de Bolsonaro.

A indicação aconteceu durante reunião na terça-feira (27), quando membros da chamada Frente Evangélica sugeriram o nome do deputado eleito pelo Podemos, em São  Paulo. A pasta abrigaria os antigos ministérios do Esporte, Direitos Humanos, Cultura e Desenvolvimento Social.

Evangélicos marcam presença maciça no governo Bolsonaro

O enxugamento faz parte da política de campanha do candidato eleito pelo PSL do Rio de Janeiro. Bolsonaro e a equipe de transição comandada pelo Ministro Chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni e o da Fazenda, Paulo Guedes, pretende limitar em 20 o número de pastas.

Africanos são amaldiçoados

A especulação do nome de Marcos Feliciano como representante oficial de propostas de combate ao racismo e defesa dos direitos das mulheres causa calafrios. Conhecido por declarações preconceituosas, o pastor recentemente disse que os africanos eram ‘amaldiçoados’.

O posicionamento foi defendido em uma série de postagens no Twitter em 2011. Marco Feliciano disse que os africanos eram amaldiçoados pelo personagem bíblico Noé. “Isso é fato”. O pastor foi além, explicando que os africanos deveriam ser convertidos “aos caminhos do Senhor”. Os posts foram deletados.

Feliciano pode comandar pasta responsável por combater o racismo

Marco Feliciano, que chegou a ser presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, foi alvo de inquérito no STF por preconceito e discriminação racial.

“Citando a Bíblia […], africanos descendem de Cão [ou Cam], filho de Noé. E, como cristãos, cremos em bênçãos e, portanto, não podemos ignorar as maldições”, explicou em sua defesa.

Curioso que mesmo reafirmando a visão discriminatória de que os africanos seriam ‘amaldiçoados’, Marco Feliciano foi investigado pelo STF. A corte entendeu não ser possível tipificar as mensagens como crime.

Publicidade

Fotos: Reprodução/EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Revista suspende colunista após masturbação em reunião online