Ciência

Vacina que permite que celíacos consumam glúten inicia nova fase de testes

por: Vitor Paiva

Evitar o consumo de glúten para uma parcela da população é mais do que cuidar de sua dieta – pode ser uma perigosa questão de saúde para quem tem a doença celíaca. A intolerância ao glúten pode trazer diversos sintomas e até outras doenças, e até então a única maneira de combatê-la era realmente alterando radicalmente sua alimentação, cortando o glúten completamente. Uma nova vacina sendo testada nos EUA, Austrália e Nova Zelândia pode permitir que os celíacos consumam glúten com segurança.

Pães são um dos alimentos que mais costumam conter glúten

A vacina promete alterar o sistema imunológico de quem a tomar, e os primeiros testes comprovaram sua segurança – o próximo passo será testar sua eficácia a longo prazo. O consumo da proteínas do glúten, presente em diversos alimentos como pães, biscoitos e massas, entre tantos outros, podem provocar, nas pessoas celíacas, a destruição do revestimento intestinal. A nova vacina funcionará para as pessoas celíacas portadoras do gene HLA-DQ2.5, representantes de cerca de 80% a 90% dos casos.

A vacina contra a doença celíaca entrará em sua segunda fase de testes

A nova série de testes acontecerá nos três países, e envolverá 150 pacientes celíacos. A ideia é, além de melhorar a saúde dos usuários, oferecer uma alternativa a onerosa e complexa mudança de dieta que tal doença normalmente exige, além de combater a contaminação acidental. A notícia da vacina foi publicada no site IflScience.

Mudar radicalmente sua dieta pode ser difícil e caro

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
80% dos adolescentes do mundo são sedentários, aponta estudo