Design

Como construir um portfólio f*da, segundo designers incríveis

por: Redação Hypeness

Se destacar em meio a tanta gente em busca de trabalho não é nada fácil. Ter um portfólio incrível é uma baita ajuda, mas o complicado é conseguir montar algo que atraia a atenção dos recrutadores logo de cara. Entre buscas por maneiras criativas de se apresentar aos possíveis clientes, a designer Liz Pratusevich decidiu entrar em contato com profissionais que admira, e conseguiu dicas preciosas.

Eu passei duas semanas criando meu portfólio e prestando atenção em cada detalhe, mas, quando ficou pronto, meus erros estavam óbvios até para mim”, relata Liz.

Ela encontrou cinco portfólios incríveis na internet e decidiu mandar e-mail para as criadoras de cada um em busca de conselhos. Aqui vão as respostas que chegaram e Liz fez questão de compartilhar com todo mundo que enfrenta o mesmo desafio.

Julie Bonnemoy, Designer Gráfica

“Acho que o melhor aspecto do meu portfólio é o fato de minha marca ser lúdica. Todos os aspectos do portfólio são dinâmicos, o que mostra o tipo de pessoa que eu sou. Além disso, não há final absoluto: cada vez que se chega ao fim da página é possível ir para o próximo projeto sem ter de voltar ao menu.

Acho que uma das principais tarefas é escolher bem seu público-alvo e ser compreensível em até cinco segundos – coisas como o que você faz, onde você vive e como você trabalha”.

 

Amy Findeiss, Designer de Produtos

“Acho que tanto designers quanto outros profissionais querem não apenas ver o que você fez, mas entender como você chegou às soluções para os diversos problemas de um projeto.

Eu tento demonstrar isso em diferentes projetos mostrados no meu site. O compartilhamento do processo é a parte mais bem-sucedida do meu portfólio, e inovar os processos é a parte mais divertida do trabalho para mim”.

 

Liz Wells, UX designer

“Eu passei muito tempo criando pontos fortes que contassem a história do meu processo criativo em cada projeto. É fácil pensar que UX é algo feio, apenas um monte de caixas cinzas, mas esse é um jeito preguiçoso de encarar o trabalho. Só porque o UX não é a etapa final do processo isso não significa que ele não deva ser bonito”.

 

Jennifer Heintz, Designer e Ilustradora

“Acho que as pessoas respondem muito bem à interatividade do meu site. Meu objetivo é que ele seja super lúdico e divertido, então trabalhei bem próxima do meu desenvolvedor para que essas qualidades aparecessem não apenas no design, mas na interatividade.

Como alguém recém-graduada, muitos dos meus trabalhos foram criados durante a faculdade. Eu trabalhei bem duro para que meu portfólio não só mostrasse meu talento para o webdesign, mas para que meus projetos universitários parecessem mais polidos e profissionais”.

 

Amanda Pinsker, Designer de Produtos

“Espero que a melhor parte do meu portfólio seja fazer as pessoas pensarem que eu tenho coisas inteligentes a dizer sobre meu trabalho. Mas muitas vezes dizem que meu portfólio é divertido, e acho que isso também é bom.

Eu acho que o maior erro que muitos designers cometem é se estressar demais sobre o portfólio e acabar não mostrando quase nada. Ter alguma coisa é melhor do que não ter nada, e você sempre pode melhorar com o tempo”.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Universitários se enfrentam em Desafio de Design sustentável