Debate

Entenda o que está levando leões a matarem caçadores na África do Sul

por: Redação Hypeness

Parece que o jogo está virando. Notícias vindas das savanas africanas mostram que leões estão caçando seus algozes. As informações são da Reuters, que diz que pelo dois caçadores de rinocerontes foram mortos por leões em uma reserva de caça sul-africana.

Os restos mortais dos seres humanos foram encontrados por um guarda florestal da Reserva de Caça de Sibuya, no Cabo Oriental, África do Sul. “Suspeitamos que dois foram mortos, possivelmente três”, explica o proprietário do espaço, Nick Fox.

Um machado, três pares de sapato e uma luva estavam junto dos restos mortais. Pessoas dizem ter ouvido barulhos feitos pelos leões. Elas já foram ouvidas pela polícia.

Um dia da caça e o outro também

“Nós acreditávamos que eles deviam ser caçadores de rinocerontes e o machado confirmou isso. Eles usam o rifle para atirar no animal e o machado para remover o chifre”, opina Fox.

Os rinocerontes são uma das espécies mais caçadas e ameaçadas do planeta. Cerca de 80% deles estão na África Sul, o que atraem pessoas em nome de compradores do Vietnã e China. O grande atrativo é o chifre, usado muitas vezes como ingrediente medicinal.  

A situação é tão drástica, que para salvar os rinocerontes, funcionários da Reserva de Caça de Sibuya atiram nos caçadores. 50 foram mortos até agora. Apenas em 2017, mais de mil rinocerontes foram mortos em território sul-africano.

Com leões, o cenário não é menos preocupante. Em 2013, um levantamento apontava apenas 645 leões selvagens na África Oriental e Central e outros 34 em toda a Nigéria.  A principal culpada é a caça.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
J.K Rowling compara transição de gênero com cura gay em novo desserviço contra diversidade