Arte

Indiana Jones da arte resgata mosaico com 1,6 mil anos

Vitor Paiva - 03/12/2018 às 13:19 | Atualizada em 11/12/2018 às 16:18

Não é por acaso que o detetive holandês Arthur Brand é conhecido como o “Indiana Jones do mundo das artes”. Depois de recuperar, em 2015, duas imensas estatuas de bronze feitas por um artista nazista, e de também encontrar, no ano seguinte, cinco obras de arte roubadas pela máfia ucraniana, Brand ataca mais uma vez: ele acaba de salvar um mosaico bizantino de mais de 1600 anos.

O detetive holandês Arthur Brand e o mosaico recuperado

Foram dois anos de caçada pelo mosaico que estava desaparecido desde os anos 1970 e que é avaliado em algo entre 5 e 10 milhões de euros. A busca o levou até um apartamento em Mônaco, onde o família britânica quedou-se horrorizada ao descobrir que aquela peça que haviam comprado de boa fé era, na verdade, uma obra de arte roubada de uma igreja no Chipre depois da invasão Turca.

Segundo Brand, encontrar o mosaico foi o melhor momento de sua vida. O detetive em seguida pôde devolver a obra milenar, intitulada “A Representação de São Marcos” à embaixada cipriota na cidade holandesa de The Hague – e, assim, de volta ao povo cipriota.

Detalhe do mosaico bizantino

Os mosaicos da igreja de Panayia Kanakaria, de onde a peça foi roubada nos anos 1970, são de importância inestimável para a história da arte.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, Vitor Paiva é doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores, publica artigos, ensaios e reportagens.

Canais Especiais Hypeness