Futuro

Produtores de bebidas alcoólicas dos EUA pedem fim da proibição da maconha

por: Vitor Paiva

Publicidade Anuncie

No passado, a relação entre a indústria do álcool e da maconha, especialmente em países que começavam o processo de legalização do consumo da planta, não era das melhores: os lobistas do álcool chegaram a financiar campanhas contra a legalização. O potencial da maconha em concorrer e até desbancar o consumo de álcool (além de amenizar os males provocados pela bebida) é evidente, mas recentemente esse cenário de embate se reverteu.

Para além da defesa da liberdade e da verdade, o lema que levou um dos maiores grupos da inústria de álcool no mundo a defender a legalização da maconha foi a máxima de que se não podemos vence-los, então nos juntemos a eles. A The Wine and Spirits Wholesalers of America (WSWA) foi ao Capitólio, na capital Washington, para firmar a posição de que o governo federal deveria liberar os estados para tomarem a decisão que quisessem sobre a legalização – além de defender o fim da proibição federal à planta. Como se não bastasse, o grupo ainda ofereceu uma série de sugestões sobre como essa mudança deveria acontecer.

Segundo a WSWA, a legalização federal deve trazer segurança no produto, controle do acesso por menores, a implementação da coleta de impostos, e encorajar a inovação e a escolha para os consumidores. Para tal, o consumo deve ser estabelecido para maiores de 21 anos, com regulações sobre o uso de veículos ao consumir, e mais uma série de leis similares às estabelecidas para o álcool. Ainda que vise sim a liberdade e a verdade sobre a maconha, há outra intenção por trás do gesto.

Ao se tornar o primeiro grande grupo a defender a legalização, a WSWA confirma a tendência que sugere que, visto que não conseguiram derrubar o processo, as empresas de álcool pretendem também entrar no jogo. Especula-se que essas empresas pretendem também produzir e revender maconha e derivados.

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Carreiras em ascensão: em quais ficar de olho no mercado de tecnologia