Inovação

Solução para os esquecidos: Empresa cria serviço de aluguel de guarda-chuva

por: Vitor Paiva

Publicidade Anuncie

Na sociedade de consumo em que vivemos, na qual um mero objeto pode possuir um valor financeiro e mesmo emocional inestimável, nenhum produto é mais rejeitado que o guarda-chuva. Apesar da proteção que nos oferecem, costumamos perde-los ao fim de cada temporal, para só lamentarmos a perda – ou mesmo perceber – quando a próxima chuva vier, e formos pegos no meio da rua, ensopados em surpresa. É nesse momento que entram em ação os serviços da Rentbrella, uma empresa que justamente aluguel de guarda-chuvas para esses dias molhados em que eles tanto fazem falta.

A máquina d Rentbrella no Shopping São Paulo

Desde fevereiro até o meio do ano foram mais de trinta pontos de aluguel abertos somente na Av. Paulista, em São Paulo, a serem feitos em máquinas especiais. Para alugar um, é preciso baixar o aplicativo da Rentbrella, cadastrar um cartão de crédito válido, captar um Qr Code, digitar um código presente na máquina e retirar o guarda-chuva. Quando o tempo melhorar, basta devolve-lo em qualquer máquina da empresa.

Publicidade

Acima, o QR Code na máquina; abaixo, a retirada do guarda-chuva 

O app da Rentbrella

O serviço custa R$ 1 por hora, entre 10 e 18 horas, de segunda a sexta-feira. O tempo com o guarda-chuva fora desse intervalo não traz custos ao cliente. A Rentbrella já informou que está em processo de expansão, com novos pontos a serem inaugurados em regiões como a Vila Olímpia – o plano é chegar a 300 pontos até o fim do ano. E se o destino de todo guarda-chuva é desaparecer, naturalmente que a Rentbrella conta com tal hipótese: quem perder o objeto ou ficar com ele por mais de três dias, desembolsará 34 reais, e o guarda-chuva será seu – ou seguirá perdido, nesse lugar misterioso para onde vão os guarda-chuvas que desaparecem.

Nathan Janovich e Freddy Marcos, fundadores da Rentbrella

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Cinema troca poltronas por camas duplas. Será que é uma boa ideia?