Matéria Especial Hypeness

Acha inviável ter cachorro em apartamento pequeno? Essa história prova o contrário | Adotar é Hype #1

por: Pedro Drable

Patrocinado por: Güd News

 

É um acontecimento terrivelmente comum para quem acompanha o universo de adoção de animais. Alguém resolve se mudar para um apartamento e, por isso, “precisa se desfazer” do cachorro que conviveu por anos com a família. Um relato como esse nem teria surpreendido Rafaela Sidrim, 33, a tutora da cachorra Dorothy, não fosse por um detalhe: a tal família tinha dado uma data limite para que a adoção fosse concretizada, ou o cachorro seria sacrificado.

Família feliz: Rafaela, Dorothy e Venício

Chocada pelo anúncio completamente absurdo, Rafaela usou o Instagram de sua cachorra, @orelhasdadorothy, para ventilar sua indignação e mostrar o outro lado da moeda.

É que nem todo mundo sabe, mas Rafaela cria a Dorothy, uma vira-lata de 17kg, em um apartamento de 29m².

E mais: Rafaela ainda hospeda outros cachorros no apartamento através de um aplicativo, sempre com segurança e tranquilidade.

Seu relato incrível acabou gerando a ideia de uma hashtag para que mais pessoas falem sobre a real experiência de criar um cachorro em apartamento, não importa o tamanho (nem do cão, nem do lar). Assim surgiu a onda #cachorrodeapê, que fez com que centenas de perfis pet do Instagram compartilhassem sua rotina como cachorros de apartamento, além de dicas e técnicas que comprovam que é perfeitamente possível dar uma vida saudável e feliz a um cachorro em um ambiente pequeno. Em especial a um cachorro adotado, que teria como opção viver em um abrigo ou pior, na rua.

Conversamos com Rafaela pra entender um pouco mais desse movimento e pegar dicas pra quem pensa em ter um cachorro em apartamento.

Rafa, conta pra gente um pouco da história da Dorothy. Como ela entrou na sua vida?

Eu e meu namorido [Venício Pedrosa, 27] somos paraenses morando em São Paulo. Ambos apaixonados por cachorro e morrendo de saudade dos nossos cachorrinhos que ficaram no Pará com nossas mães. Até que o Vini teve a ideia de me fazer uma surpresa me dando de presente um buldogue francês. Porém, nas pesquisas pelo melhor canil ele caiu num site de adoção de cães e ficou muito tocado com as histórias dos cachorrinhos. Aí ele resolveu me falar da surpresa que me faria, mas que estava pensando na possibilidade de adoção. Eu quase não me contive de tanta felicidade, pois sempre tive um sonho de adotar um vira-lata de rua ou abrigo.

Pensamos e repensamos se seria uma atitude responsável, já que moramos num apartamento de 29m². E chegamos a conclusão que se nós nos adaptamos num espaço tão pequeno, por quê um cachorrinho não se adaptaria também? Afinal, amor e dedicação teria de sobra. Sem falar que é muito melhor um lar de amor com 29m² do que as ruas ou baias dos abrigos com 1m².

Então chegou no meu WhatsApp a foto de uma cachorrinha orelhuda que havia sido resgatada em Osasco e estava em um lar temporário. Quando vimos aquelas orelhas e aquele olhar carente não contamos conversa e fomos na mesma semana buscá-la em Osasco.

Ela tinha aproximadamente 7 meses. Isso foi dia 10 de maio de 2018.

Foto do anúncio de adoção da Dorothy


E hoje vocês moram em um apartamento de 29m². Como é a rotina nesse espaço?

A Dorothy se adaptou rapidinho no apêzinho. Já chegou aprontando todas! Comeu sapatos, controles, os rodapés da sala, duas caminhas, almofadas… Mas tudo bem, filhote faz essas tolices e tínhamos consciência que aconteceria esse tipo de situação “destrutiva” nos primeiros meses.

Sempre brincamos muito com ela dentro do apartamento. Brincadeiras de correr, inclusive! Principalmente quando ela aprendeu a pegar a bolinha e trazer pra gente jogar novamente. Ela ama!

Mas temos também muitos momentos de chameguinho juntos. Com o tempo, a Dorothy foi entrando na mesma vibe que a gente. Um dos nossos programas preferidos dentro de casa é ficar de chamego na cama enquanto maratonamos alguma série. Nem precisa dizer que ela ama, né? Afinal, quem não gosta de carinho enquanto tira uma sonequinha sagrada?

Como você faz pra Dorothy se exercitar, já que o espaço de vocês não é tão grande?

Meu sonho é poder passear diariamente com a Dorothy na rua! Mas ela ainda tem muitos traumas do comecinho da vida dela, que foi bem difícil, então tem verdadeiro pânico de andar nas redondezas do nosso prédio. Moramos no centrão de São Paulo, onde tem diariamente uma circulação imensa de pessoas, carros, ônibus e muito, muito barulho.

Em função disso, levamos ela diariamente para se exercitar em algumas áreas do condomínio, que dispõe de área externa com gramado e alguns andares de estacionamento. Ou seja, ela sobe e desce rampas e escadas como uma atleta! Vale ressaltar que algumas vezes ela fica insegura de ir na área gramada, então resta estacionamento e escadas do prédio. Isso significa que não existe desculpa, pois todo prédio tem escadas!

Nos fins de semana a gente a leva para o cachorródromo do Ibirapuera para que ela possa correr sem guia e socializar com outros cães.

Ah, detalhe: não temos carro. Vamos sempre de Uber (basta conversar com carinho com o condutor do veículo e colocar ela no colo que dá tudo certo).

Mais uma situação que acho interessante chamar atenção. Conheço pessoas que não levam seus cachorros para conhecer novos lugares, pois não tem carro. A Dorothy não é um cachorro pequeno (ela pesa 17kg) e quem acompanha o Instagram dela sabe que a vida social da Dorothy é legal pra caramba! Quando a adotamos, assumimos a responsabilidade de fazê-la feliz e estamos seguindo à risca.

Quanto aos trauminhas dela, estamos trabalhando nisso respeitando o tempo dela. Já houve muitos avanços. Antes a Dorothy não conseguia ficar no mesmo ambiente que humanos sem tremer de medo e tentar se esconder. Hoje ela já aceita, ainda insegura, mas já compreendeu que agora as pessoas que se aproximam dela só querem dar carinho e petiscos (risos).

Feliz da vida: Dorothy em sua verdadeira mansão

Você usa alguma técnica diferente? (enriquecimento ambiental por exemplo?)

Comecei a pesquisar sobre e enriquecimento ambiental e aplicar algumas técnicas que renderam bons frutos, como garrafas pet, bolinhas e até meias recheadas. O céu é o limite!

Agora no verão, estou fazendo bolas de gelo recheadas com petiscos. Uma solução divertida e refrescante.

Como surgiu a ideia de usar essa hashtag? Como tem sido a participação das pessoas?

Surgiu da minha indignação ao ver dois casos de famílias que iriam se mudar para lugares menores que “não tinham espaço” pros cachorros. Então as mesmas divulgaram os cachorros para adoção estipulando um prazo para as novas famílias se apresentarem, caso ninguém se interessasse os cachorros seriam sacrificados como uma forma de poupar o sofrimento dos animais.

Só me veio a cabeça que moro num apartamento de 29m² com um cachorro de 17 Kg cheio de energia e ainda hospedo outros cães em casa. Daí resolvi gravar um desabafo nos stories do Instagram da Dorothy falando um pouco da nossa realidade e mostrando o quanto é possível ter cachorro em apartamento!

Minutos depois da publicação comecei a receber feedbacks super positivos de pessoas que criam seus cachorros em apartamento e o quanto são felizes e saudáveis. Em especial de uma moça com síndrome do pânico, que não se sente segura em sair sozinha do apartamento, mas desce todos os dias para uma quadra do condomínio com o cachorro dela.

Tive apoio de alguns pais de pets que sugeriram que eu colocasse o depoimento nos destaques e criasse uma hashtag para viralizar a reflexão sobre esse assunto, como a Dan, mãe do @_catipanda.

Confesso que fiquei surpresa com a repercussão da campanha e, obviamente, muito feliz em ver tantos casos de cachorros “dividindo apê” com tantas famílias bacanas, dedicadas e cheias de amor.

Dorothy na sua casinha. Isso parece um cachorro triste?

O que você recomendaria para pessoas que desejam ter um cachorro mas ficam receosas por conta do espaço reduzido do apê?

Recomendo que não deem ouvidos para pessoas que dizem ser um absurdo criar cachorro em apê em função do espaço x tamanho do cachorro.

Quem pensa desse jeito está focando na própria necessidade de espaço. O cachorro não vai se importar se é um apê minúsculo ou um palácio, para ele o que importa é espaço de sobra dentro do seu coração. 

Tem algumas soluções simples que aplicamos em casa com a Dorothy que foi super positivo não só pra ela como pra gente, como por exemplo procurar na cidade por grupos de encontros de cachorros para que o cãozinho possa socializar. Ou então juntar alguns amigos que tenham cachorro e marcar encontros em casa mesmo ou em algum parque, espaço pet friendly…  Já pensou quanta experiência agradável vocês podem viver juntos?

 Independente se você mora num apartamento pequeno ou numa casa com quintal, passeio é fundamental! E lembre-se do compromisso em fazer seu cachorro feliz! Zele pela saúde, bem-estar e segurança dele. Garanto que ele vai te recompensar com o amor mais puro e verdadeiro que existe!

Se você também tem um cachorro de apartamento, compartilhe sua história usando a hashtag #cachorrodeapê e incentive mais gente a repensar os mitos sobre criar cachorros em espaços menores. E se você se inspirou com o relato da Rafa e quer buscar um cãozinho para adotar (de forma responsável), não esqueça de ver os animaizinhos para adoção na galeria do Adotar é Hype!

Há alguns bichinhos doidinhos para viverem em uma nova casa. Quem sabe um deles ganha um espaço no seu coração.

View this post on Instagram

Oi tios do Hypeness, sou Nicky – o simpático!!!! 🐶 Nome: Nicky Idade: Sou bem jovenzinho ainda … perto de 1 ano. Porte: pequeno e não vou crescer mais – tenho somente 7 quilinhos de pura gostosura 👀 Saúde: É bem verdade que sou magrinho, mas super saudável e esperto. Já estou castrado e vacinado. As tias deste abrigo facilitam um monte para que você possa me adotar sem maiores complicações… bacana né! História: Fui resgatado das ruas por onde perambulava. Mas como costumam dizer… há anjos voando por aí, soprando no ouvido das pessoas 😇😇😇 para que façam uma "boa ação" … e deu certo!!!! Imagino você olhando minha foto e se questionando: "hummm, esses magrinhos são agitadinhos"… e sou. Mas isso não quer dizer que eu não seja bonzinho. Sou muito mesmo… gosto de outros cães amigos e principalmente de humanos… ahhh… vocês me alegram tanto… me fazem sentir que sou querido quando me fitam direto nos olhos! Só o que me falta na vida agora é VOCÊ, uma família! As tias Mônica e Miriam atendem pelo whatsapp de 2a. a 6a. feira. Os celulares são (11) 99914-3820 (11) 98101-9036. Mas se não pode adotar e quer me ajudar a encontrar um lar… compartilha este post com seus amigos!!! Desde já te agradeço de montão! Muitas lambidas e abanos de rabo 👅👅👅🐕 #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Olarrr pessoal! Eu sou o Baltazar e, modéstia à parte, sou um fofo :p Idade: 3 meses aproximadamente Saúde: saudável, vacinado com a primeira dose da V8, vermifugado e despulgado. Minhas tias acham que eu devo ficar de porte médio quando crescer! Minha história: o ano de 2019 começou maravilhoso! Isso por que fui achado logo nos primeiros dias por um cara super gente boa que me levou pra uma casa com uns cheirinhos de vários outros bichos – inclusive uns cachorros que miam! Depois disso, papei muiiiiiita ração, fui ganhando peso e ficando com o pelo lindão de quem enfiou o focinho onde não foi chamado, rsrs! Uma tia veterinária me examinou e disse que estou saudável, me deu a primeira dose da vacina V8 e a tia que cuida de mim me deu vermífugo e remédio antipulgas. Estou prontinho para alegrar a casa de alguém, será que você vai ser a minha família? Para me adotar, manda uma mensagem para a tia Marluce, do @despertarpetbrasil ou no Whatsapp (21) 995727885. Estou te esperando! Lambeijos :p #nãocompreadote #adotaréhype #amizadenãotempreço

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

View this post on Instagram

Oi tios… bebê Bunny passando em sua timeline 🐕 Nome: Bunny Idade: 4 a 5 meses aproximadamente. Saúde: Vacinada e Castrada!!!! Super saudável =) Porte: médio. História: Faço parte de uma ninhada de 6 irmãozinhos. Fomos encontrados num posto de gasolina junto com minha mãezinha =( As tias do abrigo conseguiram recolher a todos e agora saudáveis, vacinados e castrados aguardamos adoção. Somos de porte médio no mínimo. Eu sou a BUNNY, a menorzinha da ninhada! Sou lindinha, toda rajada, uma tigrezinha pequena! Tchutchuca mesmo 🐶 Se você quer um animalzinho para ser seu, esta pode ser A OPORTUNIDADE heim!!!! As tias Mônica e Miriam atendem pelo whatsapp de 2a. a 6a. feira. Os celulares são (11) 99914-3820 (11) 98101-9036. Mas se não pode me adotar, me ajude a encontrar uma família… compartilhe este post com seus amigos!!! Muito, muito obrigada! Lambeijocas e abanos de rabo 👅👅👅🐕 #NãoCompreAdote #amizadenãotempreço #adotaréhype

A post shared by Hypeness (@hypeness) on

Carinho, parceria, lambidas e muito, muito amor.

Nas horas boas ou nas horas ruins. Na caminhada em um dia de sol ou na cama curtindo o som da chuva do lado de fora. Uma coisa é certa: nossos dogs sempre estarão ao nosso lado.

Pensando sempre no melhor para você e seu dog, o Hypeness e a Güd querem entregar aquele tipo de conteúdo que enche o coração de fofura e paixão pelo seu melhor amigo.

Este conteúdo é um oferecimento da Güd, uma ração premium, mais natural e deliciosa. Ou seja, tudo que seu pet merece… além daquele carinho na barriga que você está devendo. 

Publicidade

Arquivo Pessoal


Pedro Drable
Pedro Drable é publicitário e engajado na causa de animais de rua desde que adotou uma cadelinha chamada Dory. A história de superação dessa cadela sobrevivente de cinomose e seu dia a dia cheio de humor podem ser acompanhados pelo instagram @dorydalata. No mesmo Instagram, o publicitário lançou a Dalata, uma marca para amantes de pets que reverte um terço dos lucros para ajudar abrigos, protetores independentes e animais em risco.


X
Próxima notícia Hypeness:
Lady Gaga financia projetos de educação em áreas de recentes massacres nos EUA