Tecnologia

App brasileiro ajuda deficientes visuais a identificarem dinheiro

por: Vitor Paiva

Publicidade Anuncie

Autonomia é o grande dilema para os deficientes visuais, e tal questão pode ser sentida em cada passo de um dia-a-dia banal para quem enxerga – inclusive no ato mero de pagar por algo e receber um troco. Os cegos estão sempre sujeitos a serem enganados ou simplesmente se enganarem, e mesmo com as novas notas de tamanhos diferentes, nem sempre é fácil ou mesmo possível reconhecer as diferenças e, assim, os valores diversos. Foi para tentar ajudar tal dificuldade que um estudante de Engenharia da Computação da PUC de Campinas desenvolveu o aplicativo “Blind”.

O serviço provido pelo app desenvolvido por Leonardo Maciel como parte de seu trabalho de conclusão de curso é simples porém transformador para a vida e a autonomia de um deficiente visual: sem precisar usar a internet, o aplicativo “lê” e “fala” o valor de uma cédula de dinheiro.

A ideia surgiu diante da dificuldade dividida por um amigo deficiente para Leonardo, e para otimizar seu funcionamento Leonardo abastece um banco de dados com fotos diversas das notas.

Leonardo e seu app

O “Blind” está sendo testado atualmente por Fernando Maciel da Silva, um deficiente visual atendido pelo Centro Interdisciplinar de Atendimento à Pessoa com Deficiência, que perdeu a visão em 1999. Fernando vende trufas na rua, e conta que já sofreu muitas perdas por não conseguir identificar as notas.

Leonardo e Fernando utilizando o app

A projeção de Leonardo é que o App possa ser disponibilizado gratuitamente até março de 2019.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Impressora 3D pode reconstruir peças do museu nacional usando cinzas