Debate

Estudante de direito que ameaçou matar negros é expulso de universidade

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Lembra dele? No dia da votação do primeiro turno das eleições, Pedro Baleotti divulgou um vídeo racista para defender o voto em Jair Bolsonaro.

A história repercutiu e depois de ter sido suspenso e perdido o estágio, a Universidade Presbiteriana Mackenzie anuncia a expulsão do aluno do curso de Direito.

No vídeo, Pedro aparece indo votar em sua cidade natal, Londrina (PR), gritando que iria matar os negros. “Essa negraiada vai morrer! Vai morrer! Capitão, levanta-te, o povo brasileiro precisa de você”. O estudante de direito continua os xingamentos, “armado com faca, pistola, o diabo, louco pra ver um vadio, vagabundo com camiseta vermelha e já matar logo”.

Destilou racismo e foi expulso da universidade em que estuda

Assim que soube da notícia, a universidade divulgou nota condenando a atitude do aluno, “tais opiniões e atitudes são veementemente repudiadas”. Não foi suficiente, dias depois o pátio da instituição de ensino foi tomado por estudantes membros de coletivos negros e outros alunos que exigiam a expulsão de Pedro Baleotti. Deu certo.

A notícia do desligamento do autor do vídeo racista foi celebrada pelo coletivo Afro Mack nas redes sociais.

“Agradecemos todos que endossaram a luta, que compareceram aos protestos e se indignaram com o racismo presente na ação do aluno. Pedimos que continuem a se indignar e apoiar pessoas e coletivos negros (as). A referida decisão demonstra a seriedade e o compromisso da universidade no combate ao racismo. O que é de suma importância não somente para comunidade mackenzista, mas para toda sociedade”.

A pressão de alunos e movimentos negros foi fundamental

A Polícia Civil indiciou Pedro pelo crime de racismo. O jovem se limitou a dizer que “matar essa negraiada” foi uma frase infeliz.

Como já foi dito aqui no Hypeness, racismo é crime previsto no artigo 140 do Código Penal Brasileiro. Ou seja, ofender a honra de qualquer pessoa com a utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião ou origem, resulta em ação penal por injúria racial.

A denúncia pode ser feita por e-mail (ouvidoria@seppir.gov.br), por telefone (0xx61 2025-7001 / 7002 / 7003 / 7004 / 7005) ou de forma presencial (endereço: Esplanada dos Ministérios, bloco A, 9º andar, CEP 70.054-906 – Brasília).

 

Publicidade

Fotos: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Fernando Holiday quer internação psiquiátrica para grávidas ‘propensas ao aborto’