Sessão Hype

Festival de cinema francês exibe filmes independentes e gratuitos na internet

por: Brunella Nunes

Publicidade Anuncie

Segura que aí vem notícia boa para os cinéfilos de todo o mundo. Durante um mês, o público poderá se deliciar com o My French Film Festival, um festival de cinema francês que exibe uma seleção de filmes independentes e inéditos de forma gratuita através da internet, com legendas em português. A lista deste ano conta com 28 produções, divididas em seis temas diferentes.

Essa já é a nona edição da iniciativa global, que acontece de 18 de janeiro a 18 de fevereiro de 2019 para dar espaço às criações cinematográficas francesas. Há bastante coisa interessante para ver: 10 longas-metragens e 10 curtas-metragens, que irão competir entre si a partir de uma votação dos próprios espectadores. Ou seja, você pode votar no seu favorito, que será premiado pela organização.

Além disso, a lista conta também com um filme belga em competição e, fora de competição, um filme patrimônio e um filme francófono canadense. No meio “offline”, o festival chegará em algumas salas de cinema e terá exibição nos aviões da Air France durante seis meses.

A gratuitidade é válida para em todo o território da América Latina, África, Polônia, Romênia, Rússia, Índia. Os demais podem locar um longa por € 1,99 ou pagar € 7,99 para ter acesso a todos os disponíveis.

Confira abaixo algumas opções e bom filme!

A Excêntrica Família de Gaspard

A comédia francesa a la Wes Anderson faz um retrato de família de forma lúdica e fantasiosa. Gaspard resolve reencontrar seus entes queridos depois de passar anos afastado, levando a amiga Laura, que finge ser sua namorada, a tiracolo. O casamento do pai mulherengo é a ocasião que o leva de volta não apenas para suas antigas origens, mas para as memórias de infância, especialmente marcadas pelo encontro com seus irmãos.

Nem Juíza, Nem Submissa

Publicidade

O documentário franco-belga mostra, através da juíza Anne Gruwez, os bastidores da Justiça e seus desdobramentos criminais. Os diretores acompanharam-na durante três anos, em audiências, cenas de crime, visitas e investigações. É tido como politicamente incorreto, estranho, surpreendente e fascinante.

As Falsas Tatuagens

O filme canadense remete ao melhor da adolescência: show de punk rock (lembra quando você tinha energia pra isso?), bebedeiras dos 18 anos, aquele crush repentino que faz nosso mundo girar, incertezas e um draminha básico. Tudo isso se desenrola na sensível história de amor de Theo e Mag pelas ruas de Montreal.

A Coleção

O conto “A Coleção Invisível”, de Stefan Zweig (alemão que viveu no Brasil até a morte, em 1942), foi adaptado para as telonas nacionais em 2012 e agora ganha uma versão francesa. A ocupação nazista em Paris, no ano de 1942, é o cenário de “A Coleção”, quando o marchand Victor Gence compra por um preço irrisório algumas obras de arte de colecionadores judeus e, depois, dá um jeito de entrar num apartamento recheado de maravilhas artísticas.

Cão Azul

Em apenas 17 minutos, o curta Cão Azul capta o olhar e faz a gente querer mais dessa história. Nela vemos Emile, um homem que tem medo do mundo e pinta tudo o que vê pela frente de azul. Por acaso, seu filho Yoan conhece a dançarina Soraya, que gosta muito da cultura indiana. É ela que vai trazer um novo tom para a vida de ambos.

Um Homem, Meu Filho 

Em apenas 34 minutos acompanhamos a jornada de pai e filho rumo à aceitação. Com diversidade e assuntos familiares em pauta, o filme pé na estrada mostra o choque de gerações entre Fred, que é drag queen, e Jean. Ambos são projecionistas na profissão, porém bem diferentes na vida pessoal.

Publicidade Anuncie

Fotos: divulgação


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ilustrador faz releitura dos ‘Vingadores’ inspirado na arte milenar japonesa