Ciência

Novo tratamento transforma células cancerígenas em gordura. Entenda

por: Gabriela Glette

Somente no ano passado mais de 10 milhões de pessoas morreram em decorrência do câncer, segunda principal causa de morte no mundo inteiro, perdendo apenas para doenças cardíacas. Embora ainda não tenhamos descoberto uma cura efetiva, os tratamentos estão cada vez mais eficazes e nos aproximam cada vez mais dela. A Universidade de Basel – Suíça, está desenvolvendo uma nova terapia que previne a metástase de tumores malignos, transformando células cancerígenas em gordura.

células câncer em gordura 1

A metástase acontece quando o câncer se espalha para outros órgãos, através da corrente sanguínea ou sistema linfático e uma das razões para que isso ocorra é a plasticidade das células cancerígenas, que faz com que elas tenham a capacidade de mudar completamente de características fisiológicas. Entretanto, este novo tratamento planeja usar a plasticidade celular do câncer contra si mesmo, a partir de uma combinação de drogas antidiabéticas, que as transforma em células adiposas, impedindo a proliferação.

células câncer em gordura 2

A terapia em si não alterou o tumor original, mas impediu que novas células cancerosas se dividissem e se espalhassem para outras partes do corpo, o que efetivamente reprimiu a metástase nos testes pré-clínicos. Todos os medicamentos usados na pesquisa já haviam sido aprovados pela Administração de Drogas e Alimentos dos EUA. Talvez este seja o início da cura do câncer.

células câncer em gordura 3

Publicidade

Fotos: Unsplash


Gabriela Glette
Uma jornalista que ama poesia e mora na França, onde faz mestrado em comunicação. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Acidentes com morcegos aumentam 101% em São Paulo; entenda