Debate

Paradoxo: governo tem discurso em Libras, mas extingue secretaria que cuidava da educação de surdos

por: Redação Hypeness

O discurso em Libras da primeira dama Michelle Bolsonaro foi um dos assuntos mais comentados da cerimônia de posse do presidente eleito.

“Gostaria de modo muito especial de dirigir-me à comunidade surda, às pessoas com deficiência e a todos aqueles que se sentem esquecidos: vocês serão valorizados e terão seus direitos respeitados. Tenho esse chamado no meu coração e desejo contribuir na promoção do ser humano”, discursou Michelle, ao lado de uma intérprete que lia o texto do pronunciamento.

No entanto, o ministro da Educação do novo governo, Ricardo Vélez Rodríguez, decretou a extinção da secretaria do Ministério da Educação responsável pela diversidade, inclusão social e pela educação de surdos. Ela vai dar lugar a subpasta das Modalidades Especializadas. 

Michelle Bolsonaro discursou em Libras, mas novo governo exclui secretária de educação de deficientes auditivos

De acordo com a Folha de São Paulo, o movimento do novo governo visa eliminar temáticas de direitos humanos, étnico-raciais e a própria palavra diversidade. A alteração foi confirmada por Jair Bolsonaro (PSL) no Twitter. “O foco [agora é] oposto de governos anteriores, que propositalmente investiam na formação de mentes escravas das ideias de dominação socialista”, escreveu.

No lugar da Secretaria da Diversidade e Inclusão do MEC, Vélez criou uma nova secretaria voltada exclusivamente para a alfabetização. O comando será do proprietário de uma pequena escola de Londrina, indicado por Olavo de Carvalho. O astrólogo é considerado o guru do presidente. O desafio da alfabetização está nas mãos de Carlos Francisco de Paula Nadalim, crítico ferrenho do Paulo Freire e defensor da educação domiciliar.

A Secadi foi criada em 2004 com objetivo de incluir grupos historicamente excluídos da escolarização. As políticas da pasta consideravam questões raciais, étnicas, econômicas, origem, gênero, orientação, sexual, deficiências, entre outras.

O novo governo critica o que chama de ‘doutrinação comunista’

O próprio presidente Jair Bolsonaro, durante a campanha, classificou como ‘coitadismo’ políticas criadas especificamente para grupos vulneráveis.

Embora o novo governo cite a existência de uma suposta doutrinação marxista, fato é que o Brasil, de acordo com levantamento do governo federal, tem mais da metade dos alunos do 3º ano do ensino fundamental com nível insuficiente em provas de leitura e matemática.

À Folha de São Paulo, o frei David Santos, da ONG Educafro, lamentou o que classificou como “afronta”.

“Enquanto militante de um mundo melhor, participante de uma igreja que definiu políticas públicas como tema da campanha da fraternidade de 2019, vejo essa atitude como uma afronta”.

Publicidade

Fotos: EBC


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Enquanto Anvisa não se decide, o mercado bilionário do Cannabusiness se organiza