Futuro

Transformando lixo em livros: Biblioteca com 1,2 mil livros é inaugurada em Jardim Gramacho

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

O Rio de Janeiro é formado por pequenas ilhas ricas e paradisíacas, tendo as praias e os bairros nobres como cenários, porém quase sempre cercados de sintomas da pobreza, da desigualdade social e do descaso público. E, nem tão longe desse universo paradoxal, existe algo ainda pior. Distante 30 quilômetros das praias da Zona Sul carioca, encontramos o bairro de Jardim Gramacho, no município de Duque de Caxias.

Lá, de 1976 a 2012, funcionou o maior lixão da América Latina, que recebia, na época, cerca de 7 mil toneladas diárias de rejeitos químicos e orgânicos, que acabavam, em sua maioria, nas águas da Baía de Guanabara. Durante os 36 anos de funcionamento, cerca de 1800 catadores trabalharam no local, mas com a confirmação de que o Rio se tornaria sede das Olimpíadas, em junho de 2012 o lixão foi, enfim, desativado.

O que era o princípio de uma boa notícia, tornou-se, no entanto, incerteza e medo para as famílias que moravam em Jardim Gramacho ou nos arredores, e que dependiam do lixo como única fonte de renda. Hoje, passados seis anos de seu fechamento, cerca de 300 catadores trabalham em 18 cooperativas de reciclagem de lixo da região, mas outros 4 mil estão sem ocupação ou mesmo perspectiva, agravando ainda mais a situação de pobreza extrema em que já viviam.

Saem as toneladas de lixo e entram milhares de livros

Em meio à situação de miséria e vulnerabilidade social, uma esperança acaba de surgir em Jardim Gramacho: uma biblioteca comunitária cujo principal objetivo é proporcionar o contato dos catadores de material reciclável, e de toda a comunidade do seu entorno, com a literatura. A iniciativa conhecida como Cantos de Leitura procura, através da educação e da literatura, ajudar a criar novas páginas para a história deste bairro.

“A ideia do projeto é criar espaços agradáveis e lúdicos de socialização em comunidades, utilizando a leitura como atrativo e ponto de encontro”, afirma Kátia Rocha, CEO da Rede Educare. “É claro que um projeto de tal natureza, quando levado a um local extremo e simbólico como Jardim Gramacho, ganha um peso, uma densidade e um sentido ainda mais fortes”, completa.

O Cantos de Leitura localizado no famoso bairro de Duque de Caxias é o quarto inaugurado no Rio de Janeiro, só em 2018, e a décima edição aberta no País pela Rede Educare com o patrocínio da Ball Embalagens para Bebidas América do Sul nos últimos dois anos.

Construída em um espaço de 41 metros quadrados, no mesmo galpão onde também funciona um projeto voltado para orientar jovens grávidas, a biblioteca de Gramacho oferece clássicos como Jorge Amado e Clarice Lispector e até livros mais recentes, como Harry Potter e Percy Jackson. O projeto pensa na leitura como um direito humano essencial, que pode ajudar a ampliar o campo de interesses dos moradores, oferecendo oportunidades para aprimorar o comportamento, o desempenho escolar (ou até mesmo iniciar uma trajetória escolar), além de funcionar como alternativa ao crime e às drogas, por exemplo.

A Ball, a maior fabricante de latas de alumínio do mundo, investiu R$ 400 mil só nas quatro unidades do Rio de Janeiro, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura.

Mas a participação da empresa não se restringiu somente às bibliotecas abertas em Jardim Gramacho, Três Rios, Itaguaí e Nova Iguaçu (RJ). Outras seis foram inauguradas em cooperativas de reciclagem pelo Brasil. São elas: Reciclázaro (SP), Aliança (AM), Cooperfênix (DF), Pró-Recife (PE), Agentes Ecológicos de Canabrava (SAA) e  Reciclando Pela Vida (POA).

E se a reciclagem simbólica de Jardim Gramacho começa a acontecer através do Cantos de Leitura, a Ball também sabe a importância de fomentar o tema, bem como o consumo consciente, por meio de outras iniciativas. E é exatamente por isso que a empresa está por trás do Vá de Lata: movimento que busca conscientizar a população sobre as vantagens das latinhas em relação a outras embalagens como o vidro e o PET.

Para se ter uma ideia, o Brasil é o país que mais recicla latinhas de alumínio no mundo, com um impressionante índice de reciclagem de 97,3%. Além disso, seu ciclo é tão sustentável que, quando descartada corretamente, a lata de alumínio volta ao mercado em apenas 60 dias.

Esse é um dos mais importantes, entre tantos outros motivos, que colocam a latinha como a embalagem mais sustentável do Brasil e do mundo. E por acreditar em um consumo com menos lixo e mais consciência, o movimento Vá de Lata dissemina informação e promove conscientização em seus canais de comunicação e em diversas ações pelo Brasil. Confira!

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
61% dos americanos apoiam legalização nacional da maconha nos EUA