Tecnologia

Vibrador perde prêmio em feira de inovação por ser considerado “imoral”

por: Redação Hypeness

Las Vegas recebe a Consumer Electronics Show (CES), considerada uma das maiores feiras de tecnologia e inovação do mundo. Contudo, uma decisão pra lá de controversa colocou o título na berlinda.

Um vibrador ganhou um prêmio de inovação em robótica, mas perdeu o título, pois de acordo com os jurados da CES, trata-se de um produto ‘imoral’. A decisão suscitou um debate importante sobre machismo. Brinquedos sexuais sempre fizeram parte da feira e foram realizadas inclusive sessões pornográficas de realidade virtual. Para homens, claro.

O vibrador Osé foi criado pela empresa Lora DiCarlo e é capaz de proporcionar orgasmo combinado com as mãos a partir do uso microrrobôs construídos para imitar os movimentos de uma pessoa humana.

O machismo é imoral!

A empresa afirma ter recebido o comunicado da retirada do prêmio cerca de um mês depois da feira. “As inscrições consideradas pela CTA como sendo imorais , obscenas, indecentes, profanas ou não de acordo com a imagem da CTA serão desqualificadas”, diz o comunicado.  

A CEO da Lora DiCarlo, Lora Haddock, escreveu carta aberta criticando a atitude dos organizadores da feira norte-americana. Ela citou ainda a aceitação de exposições de pornográficas voltadas ao público masculino.

“Por que a CES é ameaçada por mulheres com poder e pelos produtos que as capacitam?”.

Não é a primeira vez que a CES é acusada de machismo. Em 2018, a feira abriu uma exposição de produtos de saúde sexual para homens, entre eles robôs na forma de mulheres. A presença das ‘booth babes’ – mulheres de biquínis e salto alto é recorrente.

Publicidade

Foto: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
O caminho da indústria do cinema para o streaming