Arte

Absorvendo o Tabu: a importância de um filme sobre menstruação ganhar o Oscar

por: Redação Hypeness

A vitória de Absorvendo Tabu como melhor documentário curta-metragem passou despercebida no Oscar. Não devia, já que o filme trata de um tema relevante e que ainda é alvo de tabus.

“Não acredito que um filme sobre menstruação ganhou um Oscar”, celebrou a diretora Rayka Zehtabchi. O prêmio foi entregue ao lado da produtora Melissa Bertone e fez o público refletir sobre os impactos do machismo em um ciclo tão marcante.

Absorvendo Tabu acompanha o cotidiano de uma comunidade rural na Índia. Em Harpur, a primeira menstruação significa que as meninas devem interromper os estudos.

– Coisa de preto é ganhar o Oscar. O maravilhoso e histórico discurso de Spike Lee

– O maior superpoder no cinema é levar a representatividade às telas

– James Baldwin, o profeta do existencialismo negro, chega ao cinema com o diretor de ‘Moonlight’

Em muitos casos, o machismo resulta na falta de produtos de higiene adequados. Garotas precisam utilizar tecidos sujos, folhas e até cinzas para impedir que o sangue se espalhe. Infeções graves, que podem matar, são comuns.

Chega desse tabu com a menstruação, né?

O documentário retrata o processo de implementação de uma máquina que produz absorventes biodegradáveis. Melhores condições de saúde e a chance de desenvolver uma nova habilidade para a promoção da independência financeira.

Um grupo de mulheres tomou o palco para receber a estatueta do Oscar. Rayka alfinetou um termo machista empregado por homens e disse que não estava chorando por causa da TPM, mas porque um filme sobre menstruação havia vencido.

A menstruação ainda é tabu em várias partes do mundo. A maratonista norte-americana Kiran Gandhi, de 26 anos, compartilhou um episódio.  Menstruada, ela completou a prova sem absorventes, chamando a atenção para o papel exercido pelo produto.

“Corri com o sangue escorrendo pelas minhas pernas para as minhas irmãs que não têm acesso aos absorventes e para aquelas que, apesar de cólicas e dor, escondem e fingem que ela (a menstruação) não existe. Corri para dizer: ‘ela existe e nós a superamos todos os dias’”, pontuou.

A Índia é um dos países mais negligentes com a saúde da mulher. Ainda paira o mito de que mulheres menstruadas estão sujas ou amaldiçoadas. Um fabricante de absorventes fez um estudo mostrando que 75% das mulheres ainda compram o produto embalado com jornal por causa da vergonha. Cerca de 3 milhões de indianas deixam de ir à escola quando estão menstruadas.

No entanto, o fenômeno não está restrito aos países mais pobres. A tenista campeã Petra Kvitova teve que aturar uma pergunta machista de um repórter que queria saber como ela lidava com “assuntos de mulher”.

A menstruação tem significado sagrado. Veja o que diz Cecília M. B. Sardenberg no artigo Tabus e poderes: a menstruação numa perspectiva sócio-antropológica.

“Muito ao contrário, os mitos relatados a mulheres antropólogas pelas aborígines ensinam-lhes a se identificar com suas ancestrais que as protegem e são responsáveis pela menstruação e pelo parto. Assim, durante os rituais iniciáticos da menarca, nos quais os homens não participam, as mulheres aborígines cantam cantigas sagradas que invocam estes ancestrais”.

Publicidade

Foto: Reprodução/Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Maria Gadú diz que vai parar de fazer música e questiona indústria do entretenimento