Debate

CEO do Burning Man diz que Instagram está acabando com cultura anti-capitalista

por: Mari Dutra

Somos apaixonados pelas fotos do festival Burning Man. Elas parecem ter sido tiradas em outra dimensão e evocam uma realidade paralela que só existe durante alguns dias em Black Rock City (e vai ter uma edição aqui no Brasil!). Porém, a CEO do evento, Marian Goodell, aponta que estas mesmas fotos podem estar acabando com a cultura anti-capitalista promovida pelo festival.

Em uma publicação no blog do Burning Man, Marian relata que alguns participantes do evento estão comentando sobre as mudanças alarmantes na cultura do festival, o que levou a especular quem teria causado essas modificações. A CEO conta que o questionamento começou ao ouvir, durante um simpósio na Suécia, que um participante aposentado sofreu discriminação consecutivas vezes durante o evento.

O texto aponta para a tendência de que modelos e influenciadores digitais estão usando os cenários do Burning Man para vender e valorizar sua imagem. Tal atitude vai conta os códigos do evento, que proíbem a comercialização durante sua realização, visto que a ideia é promover o espírito comunitário.

Mesmo que a intensão seja expressar gratidão, isso não é uma exploração da comunidade de Black Rock City? E quanto ao nosso princípio de descomodificação? É justo dizer que esse comportamento já existe há algum tempo. Mensagens de gratidão cruzadas com hashtags começaram devagar e inocentemente, mas agora estão fora de controle. Não deixar claro qual comportamento é inaceitável agravou o problema. Recentemente ouvi rumores de mais de um lançamento de produto ou negócio acontecendo em playa em 2018“, escreveu ela.

Marian relata ainda que algumas empresas estão oferecendo pacotes “all inclusive” para viver a experiência do Burning Man e torná-la mais conveniente. Ao mesmo tempo, a crítica é forte quanto a este tipo de comportamento, visto que o festival busca ser uma experiência transformativa para os participantes – e nada se cria enquanto estamos na zona de conforto.

A publicação se complementa outro texto publicado no blog do festival em janeiro deste ano, que mostra algumas das atitudes que não são bem-vistas dentro da comunidade. Entre elas, pode-se destacar a compra de “pacotes” para o Burning Man (incluindo estadia) e a venda ou promoção de produtos através das redes sociais enquanto estiver no evento.

Leia também: Série de fotos documenta a experiência mágica de crianças que vão ao festival Burning Man

Publicidade

Foto em destaque: Marek Musil

Fotos no corpo do texto: Reprodução Instagram


Mari Dutra
Especialista em conteúdos digitais, Mariana vive na Espanha, de onde destila textos sobre turismo, sustentabilidade e outros mistérios da vida. Além de contribuir para o Hypeness desde 2014, também compartilha roteiros e reflexões mundo afora no blog e no Instagram do Quase Nômade.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
#OndeDói: Mulheres usam hashtag para expor abusos médicos