Arte

Curta brasileiro discute a adoção de crianças LGBT e faz sucesso em festivais

24 • 02 • 2019 às 10:10
Atualizada em 11 • 03 • 2019 às 22:20
Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

Dirigido por Carolina Markowicz e com produção da YourMama, o filme em curta-metragem brasileiro “O Orfão” vem fazendo uma carreira brilhante e premiada pelos festivais internacionais em que vem sendo exibido. Lançado em 2018, o filme recebeu, entre outros prêmios, a “Queer Palm” do Festival de Cannes – derivação do prêmio dedicada aos filmes de temática LGBTQ+.

Contando a história de um adolescente adotado que acaba sendo devolvido ao orfanato por ser, segundo o preconceito vigente, excessivamente afeminado, “O Orfão” é baseado em fatos reais.

A diretora Carolina Markowicz

No filme, o personagem Jonathas, vivido pelo ator Kauan Alvarenga, incomoda seus pais adotivos por atitudes como usar vestidos e passar batom. Essa é a deixa narrativa para a história – e o motivo pelo qual o jovem é devolvido ao orfanato.

“O Orfão” é o quinto curta-metragem de Carolina, que venceu em 2008 o prêmio de Melhor Curta no Festival do Rio com o filme “69-Praça da Luz”. E a carreira internacional de seu novo filme segue luminosa: “O Orfão” acaba de ser selecionado e participará da competição de curtas do festival South By Southwest 2019, que anualmente toma a cidade de Austin, no Texas. O SXSW 2019 acontecerá entre os dias 8 e 17 de março. O filme tem sua primeira exibição por lá agendada para o dia 9.

 

Hypeness no SXSW 2019, a melhor tecnologia do mundo é a empatia

Pelo segundo ano consecutivo, o Hypeness vai ao SXSW. Esse ano, a Dell embarcou conosco nesse projeto de ir atrás do melhor conteúdo para você. Nossa missão: O que levar do SXSW para melhorar a minha vida e das pessoas que dividem o mundo comigo? 

Que não nos ouçam as ultramáquinas de Inteligência Artificial, mas a única inovação possível é nos humanizarmos cada vez mais. 

Vale muito mais um ser humano que conhece suas potencialidades e seus limites do que qualquer inovação futurística. 

Em nossa nova estadia em Austin, no Texas, queremos abrir ainda mais a cabeça e transformar não só o que o Hypeness entrega para vocês, amigas e amigos leitores. Mas também nossas vidas.

Nossa cobertura é um oferecimento da Dell, que promete inovar a maneira que vemos filmes, séries e esportes com a tecnologia Dell Cinema em seus notebooks. 

Publicidade

Canais Especiais Hypeness