Arte

Gal Costa dá a melhor resposta a jornalista que pergunta sobre sua sexualidade

por: Redação Hypeness

Gal Costa conversou com o Universa no fim do ano passado e a entrevista viralizou novamente pelo melhor motivo. “Meu nome é Gal e não te interessa com quem eu durmo”. A adaptação ao sucesso da cantora baiana é perfeita para descrever a resposta elegante, concisa e bem humorada sobre sua orientação sexual.

Resultado de imagem para gal costa giphy

A repórter pergunta, “você é super reservada com relação a sua afetividade e a sua sexualidade”. Na lata, Gal responde, “sou. Ponto final”. A jornalista pede para terminar a pergunta e baiana fecha a conta, “Não”.

Gal Costa é reservada e se mantém assim ao longo dos mais de 45 anos de carreira. A rainha do Tropicalismo é avessa aos comentários e especulações sobre sua sexualidade e chegou a se desentender com grandes nomes da música por causa do tema.

– Blue Note na versão SP traz o jazz de NY para criar agenda de shows arrebatadora

– Gilberto Gil e Jorge Ben Jor voltam a gravar juntos, 44 anos depois de disco histórico

– Anelis Assumpção: ‘Feminismo é um mar completo e vai abraçar todas as pessoas’

Gal divando na sua telinha

Ela é daquelas que preferem dar o recado por meio da música. “Eu gosto de me manifestar”. Basta percorrer a trajetória da soteropolitana. Na década de 1970, em plena ditadura militar, Gal parou o Brasil com o lançamento de Índia. A fotografia da capa do LP estampa a parte debaixo do biquíni da artista, que veste uma tanguinha. Foi censurada, mas entrou para a história. Como disse mais tarde com Vaca Profana, derrame o leite mau na cara dos caretas”.

Eu sou gostosa. Então, neguinho chama gostosa. Ali no auge da empolgação. Não é assédio isso. É normal, na minha opinião. Você chamar uma mulher no palco de gostosa. Me lembro que fiz um show no Canecão, chamava-se Baby Gal – eu fazia uma música da Rita Lee. Tinha um solo, era rock, eu sentava no piano e ficava toda sexy. Aí um cara gritou LIBIDINOSA. Eu achei isso maravilhoso. Adorei. Não é assédio, é normal. O cara tá empolgado.

Assim com a sexualidade, a sensualidade de Gal Costa sempre foi motivo de comentários. Porém, ela nunca deixou de estar no controle com a firmeza que lhe é peculiar. Gal afirma que a altivez afastou assediadores e insinuações.

“A minha própria personalidade…as pessoas já sacam e reagem de uma maneira diferente”.

‘Índia’ afrontou a ditadura e os caretas

 O Brasil é um país abertamente machista. Imagine como foi difícil viver a feminilidade em sua plenitude há 40 anos atrás. Pois é. Ainda nos anos 70, Gal Costa arrebatou o país com o show Fa-Tal-Gal a Todo o Vapor. A cantora conseguiu, com maestria, combinar o talento com a beleza. Nos anos 1990, deixou muita gente chocada por mostrar os seios durante o refrão “Brasil, mostra tua cara”.

“Não sei por que isso chocou tanto, já tinha aparecido pelada antes”, diz ela que posou nua na revista Status, na década de 1980.

Gal é liberdade e diversidade

Não se engane, Gal é sim apoiadora da diversidade sexual e endossa a tese de que família não tem molde. Ela, que tem um filho afetivo adolescente, passou a visão ao UOL sobre tal concepção familiar.

“Família pode ser qualquer coisa. Eu amo meu filho mais do que se tivesse parido. O filho adotivo da Gal? O filho da Gal! É meu filho. Tem meu cordão umbilical espiritual, que é mais importante que o cordão umbilical biológico”. Ela está em turnê com o disco A Pele do Futuro. 

Confira a declaração de Gal Costa a partir do minuto 5:21:    

Publicidade

Fotos: foto 1: Everson Rocha/Reprodução/foto 3: Reprodução/foto 3: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Joaquin Phoenix conta como a perda de 23 Kg para viver Coringa afetou saúde mental