Sustentabilidade

Janeiro de 2019 foi o terceiro janeiro mais quente na Terra desde que se faz registros

por: Redação Hypeness

Algumas pessoas insistem em dizer que o aquecimento global é fruto da imaginação, porém os registros estão aí para provar que ele é real e já está acontecendo. Janeiro de 2019 foi o mês mais quente dos últimos 140 anos, com média de temperatura global de 12,88 graus Celsius. Os dados são da NOAA – Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos e mostram que, desde que os registros começaram a ser feitos – em 1880, os anos de 2016, 2017 e 2019 foram os mais quentes.

janeiro mais quente 3

Os dez meses de Janeiro mais quentes desde que há registro ocorreram todos desde 2002, o que mostra um aumento das temperaturas na última década. Os termômetros atingiram valores recorde na Austrália, Brasil e algumas regiões da África e Ásia, sendo que no continente asiático, as temperaturas chegaram a ser quatro graus Celsius mais altas do que o normal.

janeiro mais quente 1

Porém, se no hemisfério sul as temperaturas foram acima da média, na América do Norte o mês passado foi o janeiro mais frio desde 2011, com tempestades de neve e pessoas morrendo de frio. Os efeitos do aquecimento global não impactam somente os seres humanos, como todo o reino animal, que está perdendo seus habitats naturais e sofrendo na pele as consequências da ação irresponsável do homem. Neste ano, por exemplo, dezenas de ursos polares invadiram o arquipélago russo de Nova Zembla – no oceano Ártico, fugindo do degelo e indo em busca de comida, levando as autoridades a decretarem estado de emergência.

janeiro mais quente 2

Publicidade

Foto 1: NOAA

Fotos 2 e 3: Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Como o Rio Jundiaí foi despoluído e voltou a ter peixes após 30 anos