Diversidade

Reality show cria primeira equipe brasileira mista de um dos games mais famosos do mundo

por: Mari Dutra

As mulheres vêm ganhando cada vez mais espaço no mundo gamer. De acordo com a Pesquisa Game Brasil 2018, elas já respondem por 58,9% dos jogadores nas plataformas digitais. Mas ainda há muitos desafios enfrentados pelas minas jogadoras.

Embora explorem diferentes plataformas digitais e conquistem muitos XP em busca da igualdade, mulheres ainda são minoria entre os profissionais de eSports. Em grupos de jogadores, sua atuação costuma ser subestimada e o assédio é um adversário que elas enfrentam diariamente.

Uma pesquisa conduzida pela Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, apontou que 100% das mulheres gamers já sofreu algum tipo de assédio. As agressões iam desde insultos sexistas até piadas sobre estupro. Ainda segundo o estudo, muitas jogadoras passaram a jogar com personagens masculinos e usar nomes neutros para evitar de serem reconhecidas.

Mesmo após o fim do jogo, mulheres continuam a pensar sobre os comentários sexistas, piadas e ameaças sobre estupro e outros comentários relacionados à sexualidade que elas recebem quando jogam com homens”, descreve o site da Universidade.

Mesmas habilidades, tratamento diferente

A Universidade de Berkeley, na Califórnia (EUA), também buscou estudar mais sobre a desigualdade no mundo dos games. Para isso, uma pesquisa de 2017 recrutou cerca de 10 mil homens e mulheres e analisou o tempo que eles levavam para passar de nível em três diferentes jogos, com o objetivo de avaliar possíveis diferenças de desempenho entre os gêneros.

O resultado não surpreende: jogadores de ambos os sexos evoluíram na mesma velocidade. Apesar disso, muitas guerreiras virtuais se sentiam desencorajadas a começar a jogar devido ao preconceito e à falta de oportunidades no mundo dos games.

Para incentivar a atuação feminina e a igualdade de gênero no setor, o programa Tilibra Kings and Queens, reality show idealizado pela marca em parceria com a ESPN, investiu na criação do primeiro time brasileiro misto de Clash Royale, game de estratégia mobile que conquistou o mundo. Os 12 participantes do programa foram selecionados entre mais de 1.800 candidatos participaram de diversos desafios em que homens e mulheres disputaram de igual para igual. Além de provas de habilidades no game, eles também passaram por testes de liderança, trabalho em equipe e estratégia.

O objetivo não é apenas dar espaço para as mulheres gamers, mas também empoderar as jogadoras e ajudar a superar o machismo no setor de eSports. Para reforçar esse compromisso, a Tilibra abriu o espaço de suas redes sociais para que as participantes do reality show relatarem a desigualdade percebida por elas nessa área. O resultado foi uma rica discussão:

Malena, uma das maiores gamers do Brasil e convidada especial do reality, aproveitou o gancho e logo na sequência convidou Marcinha – participante – para um bate papo no canal dela. Além de elas compartilharem táticas de jogo, Marcinha dividiu a experiência de ter participado do programa e contou um pouco sobre como é ser menina no mundo dos games.

Na segunda, 26, os três jogadores mais destacados foram escolhidos e como prêmio vão compor a equipe de treinamentos da Pain Gaming, organização que possui a maior equipe de eSports da América Latina. O trio vencedor Giulia, Rafael e Charles terá ainda mais um desafio pela frente: treinar com o grupo que disputará a etapa latino-americana da CRL (Clash Royale League).

Arthur “Paada” Zarzur (Representante da Pain Gaming), Bruno Clash (Técnico do time vermelho), Giulia, Rafael e Charles, os vencedores do programa, Atchiim (Técnico do time amarelo) e Clash com Nery (Técnico do time azul).

 

Publicidade

Fotos: Divulgação Tilibra


Mari Dutra
Especialista em conteúdos digitais, Mariana vive na Espanha, de onde destila textos sobre turismo, sustentabilidade e outros mistérios da vida. Além de contribuir para o Hypeness desde 2014, também compartilha roteiros e reflexões mundo afora no blog e no Instagram do Quase Nômade.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Atriz diz que tinha medo de se assumir por pais serem gays