Arte

A gente fica bem é quando tá iludida mesmo | Do Amor #103

por: Jader Pires

Conheceu ele na situação mais estranha possível: Foi levar a amiga que passava mal por excesso de bebida para tomar soro no hospital e, quando foi sair do banheiro após lavar as mãos sujas dos jorros da colega, esbarrou com ele no corredor de espera.

Contou, já que tinha de esperar a mediação da amiga mesmo, do susto e do tanto de tempo que não precisava safar alguém que tinha passado mal por culpa do álcool. Confessou que estava bêbada também, mas que o susto cortou todo o barato. Achou fofa a maneira com que ele apenas escutava suas lamúrias e percepções, sem nem ter contado o porquê de ele estar também no aguardo da emergência. Trocaram telefone. Três semanas depois estavam se pegando no banco do carro dele, uma esquina antes do prédio da casa dela. E que potência. Saiu toda descabelada e ficou brincando com ele por mensagens dizendo nos dois dias seguintes que estava com dificuldades para se sentar.

Foram ao cinema juntos, engalfinhados na sala escura e também no banheiro de um restaurante que escolheram metodicamente por ter o reservado, bem, de fato, em uma área bem discreta da planta do imóvel. E se pegaram lá também. Estavam adorando essa coisa de fazerem coisas comuns e terminar em sexo feito na urgência, no tudo ou nada. Fim de tarde no parque, do lado da churrasqueira do prédio dele, na casa da amiga dela, aquela que passou mal e uniu os dois. Estavam confortáveis nesses papéis e tinham combinado de manter o que tinham como entretenimento. Jogavam prosas com graça e duplo sentido nas mensagens, marcavam de se ver, transavam, confabulavam a próxima escapada da vida comum e repetiam a dose. Café com boquete, saída da aula de yoga com cachorrinho no chão da sala, ainda suada e mole da aula, e assim por diante.

O sorriso dela transbordava nesses dias. Caminhava radiante e estava se achando no ápice de sua criatividade, sempre mandando novas invenções do que podia fazer com ele, ideias essas que eram recebidas com entusiasmo do outro lado, com melhoramentos ou detalhes de como agiriam para realizar mais aquela aventura. Isso até ela o chamar para ir na casa dela ver um filme no final de semana, ficar por lá alternando filmes com pedaços de bolo na cozinha e sexo com alguns dos brinquedinhos que ela colecionava. Neste dia, ele precisou declinar a proposta para estar em um compromisso inadiável. Desapareceu no final de semana inteiro, sem visualizar nem responder as mensagens dela. Na segunda-feira, reapareceu mais seco, dizendo que tinha ficado doente, que caiu de cama e por isso não deu a devida atenção, mas que estava recuperado para mais brincadeiras. Mas quando marcaram de se ver para ir no motel para que ele pudesse dar nomes para os vibradores que ela tinha, novamente ele deu uma desculpa de que precisava estar em outro lugar. As trocas foram diminuindo, o tesão foi definhando, ela passou a conviver com dúvidas e incertezas, papos mais vagos…

 

Estavam adorando essa coisa de fazerem coisas comuns e terminar em sexo feito na urgência, no tudo ou nada


E acabou. Ela preferiu não dar mais sequência para o que estava agonizando. Mas, antes, pediu para ter com ele um tête-à-tête para saber o que foi que fez a parada toda gostosa virar aquele azedo sem fim. E, apertando, ela finalmente arrancou dele a verdade. Quando ela propôs o maior dos desafios, a rotina, ele foi bunda-mole e ficou com medo. Disse não saber se estava preparado para o costumeiro. Ela sentiu secar entre as pernas e preferiu sair antes que a indiferença virasse raiva mesmo. E foi pro bar com a amiga, aquela que a botou cara a cara com o cara que acabara de chutar.

Conversaram, desabafaram, trocaram um abraço sincero e a colega lhe pagou uma bebida. “A que você escolher”, disse, erguendo o copo. Ela comentou que só estava cansada de não ver perspectiva de avançar com nenhum homem. Ou eles eram imaturos ou desinteressantes e, dos poucos que tinham um bom jogo de cintura e estavam dispostos a brincar, se borravam no primeiro “até que você é legal”. E a amiga, leal que era, tentou consolá-la. “Ai, que horrível que é viver uma ilusão, né?”, no que teve de ouvir a resposta, assim, de bate-pronto. “Olha, ruim é a desilusão. A gente fica bem é quando tá iludida mesmo”. E pediu uma bebida pro garçom, na conta da outra.

O amor. É tudo um faz de conta.

Que coluna é essa? Conheçam a Do Amor.

Oi gente! Jader falando aqui. =)

Para quem ainda não me conhece, sou escritor. Tenho três livros publicados (o Ela Prefere as Uvas Verdes, o Do Amor e o Deserto Negro) e estou já publicando histórias, crônicas e contos de ficção na Internet tem doze anos. Primeiro em um blog (vocês se lembram deles?), depois no portal PapodeHomem, de florescimento humano que mostra uma masculinidade mais positiva e diversa. Lá, fui colaborador, editor do site por seis anos e depois colunista, justamente com essa coluna Do Amor, com mais de 2.4 milhões de acessos, colocando um pouco do amor romântico em xeque, deixando ele meio sujo e na sarjeta para aprendermos a lidar melhor com as relações amorosas.

Disso, surgiu o livro Do Amor, viabilizado com financiamento coletivo em 2017, ultrapassando a meta inicial e chegando aos 111%, arrecadando mais de 20 mil reais e alcançando mais de 300 apoiadores.

Agora a coluna está de casa nova, aqui no Hypeness, e será publicada quinzenalmente, sempre às sextas-feiras. Então, sexta sim, sexta não, estarei aqui com uma nova história de amores tortos e deliciosos. E tô bem feliz de estar aqui, agora. Obrigado, Hypeness! Cheguem mais pertinho que tem coisa boa pra acontecer. Aqui na assinatura tem os links das minhas redes sociais. Só se aproximar.

Um beijo!

Publicidade

Tumblr (reprodução).


Jader Pires
Jader Pires é escritor. Largou a publicidade, a experiência de sete anos em um banco e foi escrever. Começou a ler livros depois dos vinte e teve que correr atrás do tempo perdido. Já lançou três livros: o Ela Prefere as Uvas Verdes e o Do Amor, de contos, e agora, lança o seu primeiro romance, Deserto Negro, já disponível para compra. Siga-o no Instagram! @jaderpires.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Aqui vai o ranking dos filmes de Quentin Tarantino, do ‘pior’ ao melhor