Criatividade

Crianças demoníacas das propagandas dos anos 1950

por: Redação Hypeness

As propagandas antigas eram repletas de bizarrices. Anúncios já reproduziram muitos estereótipos machistas, racistas e até um Papai Noel fumante.

As páginas dos anos 50 eram o auge do estranhamento, com propagandas de comidas prontas se apresentando como saudáveis e práticas. E, por algum motivo, as crianças que apareciam nos anúncios tinham as feições mais demoníacas que você vai ver hoje.

As imagens perturbadoras foram reunidas pelo site Plan 59, em uma galeria chamada (não injustamente, é verdade) de “Scary Kids” – ou “crianças assustadoras”, em inglês. Parece que os publicitários da época achavam que colocar pequenos demônios nos anúncios poderia estimular os consumidores…

Rola a tela e se joga nessa bizarrice!

Anúncio de pão, 1954

Anúncio de pão, 1954

Anúncio da National Restaurant Association (EUA), maio de 1957

National Restaurant Association (EUA), maio de 1957

Pillsbury Cake Mixes, 1954

Mistura para bolos Pillsbury, 1954

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1953

Stokely-Van Camp, 1952

Stokely-Van Camp, 1952

Anúncio da Comissão de Cítricos da Florida, 1956

Comissão de Cítricos da Florida, 1956

The Joy of Good Eating, 1952

The Joy of Good Eating, 1952

Motorola, 1952

Motorola, 1952

Franco-American, 1954

Franco-American, 1954

Nabisco Shredded Wheat, 1945

Beech-Nut Gum, 1958

Beech-Nut Gum, 1958

Post Toasties, 1958

Post Toasties, 1958

Leia também: E se as estrelas pop de hoje fizessem anúncios do passado?

Publicidade

Créditos sob as imagens


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Versão pornô de Casa de Papel ganha o ‘Oscar do sexo explícito’