Debate

Feliciano questiona viagem humanitária de Bruna Marquezine e toma invertida

por: Redação Hypeness

Marco Feliciano se envolveu em uma discussão com Bruna Marquezine e Priscilla Alcantara nas redes sociais. O clima pesou depois que o deputado federal do PSC resolveu criticar a viagem da atriz à África.

– Ameaçada por ex-namorado Eduardo Bolsonaro, jornalista é ofendida nas redes sociais

Bruna embarcou acompanhada de jovens missionários à Aldeia Missi, espaço que atende mais de 1.200 crianças em projeto social na cidade de Kuito, em Angola.

Feliciano foi surpreendido pela cantora gospel mais famosa do Brasil

“Qual sua opinião?”, questionou o pastor evangélico ao publicar uma notícia sobre o assunto. Feliciano foi surpreendido, não por Bruna, mas por Priscilla Alcantara.

– Após post de Maisa, Bruna Marquezine retorna ao Instagram com textão feminista

“Minha opinião, é que a gente tem que se preocupar com as questões sociais da gente enquanto sociedade, e não em abrir enquete sobre a vida pessoal da Bruna Marquezine, que aliás, está cumprindo o ‘ide’ melhor que muita gente, pastor”, argumentou a cantora gospel.

Irritado, Feliciano partiu para o ataque contra a ex-apresentadora do Bom Dia & Cia. “A paz. Eu poderia ser deselegante como você e responder: Esta conta é minha, portanto faço dela o que eu achar melhor. Ou poderia como pastor lhe dizer assim: respeite os mais velhos que pavimentaram o caminho que hoje você segue. Mas por respeito não irei dizer nada”.

“A gente tem que se preocupar com as questões sociais”, disse Priscilla

Marco Feliciano continuou com as insinuações. “Sinceramente? Não entendi sua má criação. Que mal tem em perguntar aos irmãos e aos fãs o que eles pensam de uma viagem missionária? Isso pode despertá-los a fazer missões. Quando você nem era nascida eu já pregava em Angola, enfrentando o terrorista Jonas Savimbi. Ministrei para milhares de meninos e meninas mutiladas numa época em que missionários eram expulsos de Angola. Postei a enquete pra mostrar que ainda há jovens crentes que amam missões. Mas sua atitude aqui não condiz com sua ação lá em Angola”, encerrou.

– Como ajudar vítimas do ciclone no sudeste da África

– Por que o ciclone de Moçambique não despertou a comoção da imprensa internacional?

Priscilla, uma das cantoras gospel de maior sucesso do Brasil, resolveu não dar corda e apagou o comentário. Feliciano, por outro lado, insistiu e até publicou um vídeo. “Assista este vídeo se puder. Sigo orando por pela Bruna, por você e pelo seu ministério”.

Não é a primeira vez que o deputado federal se vê em uma polêmica envolvendo o continente africano. Em 2011, Marco Feliciano escreveu no Twitter que africanos “descendem de ancestrais amaldiçoados por Noé”. Ele acrescentou,  “gays têm ‘podridão de sentimentos’”, que, segundo ele,  “levam ao ódio, ao crime e à rejeição”.

Aparentemente, Bruna nem deu bola para o pastor Feliciano

O político foi acusado de racismo e em defesa apresentada no Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a afirmar que Bíblia e a história mostram que os africanos foram alvos de uma “maldição” de Noé em função do “primeiro caso de homossexualismo (sic) da humanidade”.

“Ao comentar acerca da maldição que acomete o continente africano e do primeiro caso de homossexualismo da humanidade, o parlamentar denunciado na verdade discorreu sobre a crença dos cristãos de os problemas e obstáculos não surgirem necessariamente de atos do governo e ou empresários, mas do Céu, ou seja, como se a humanidade expiasse por um carma, nascido no momento em que Noé amaldiçoou o descendente de Cão [Cam] e toda sua descendência, representada por Canaã, o mais moço de seus filhos, e que tinha acabado de vê-lo nu”, diz o texto da defesa.

 

 

 

 

 

Publicidade

Fotos: foto 1: EBC/foto 2: Reprodução/foto 3: Reprodução/Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Universidade onde racista evitou professora formou 12 negros em turma de medicina