Cobertura Hypeness

Mulher financia mulher: Como incentivar empresas e criações femininas

por: Gabriela Rassy

Em constante crescente pelo mundo, mulheres chegam cada vez mais à liderança de empresas e abrem negócios de sucesso em todos os setores. A série global Women Funding Women percorre o mundo mostrando a experiência de mulheres investidoras e inovadoras, dando destaque aos investimentos feitos em empresas lideradas por elas e incentivando mais mulheres a investir.

O projeto é co-patrocinado pela Dell Women’s Entrepreneur Network (DWEN), programa focado na criação e promoção de uma rede de mulheres empreendedoras que procuram maneiras de crescer, e pela Springboard Enterprises, empresa sem fins lucrativos que tem como missão facilitar o acesso de mulheres empresárias aos possíveis investidores. A ideia é oferecer redes, fontes de capital, conhecimento e tecnologia, dando a elas o poder de fazer mais.

Desde 2017 na iniciativa, a presidente da Springboard, Amy Millman, já viajou 20 cidades conhecendo e conectando milhares de mulheres através do projeto. Entre essas cidades estão São Paulo, Paris e Tóquio.

O que rolou em Austin

No SXSW 2019, Millman apresentou algumas líderes poderosas que conheceu ao longo da série Women Funding Women. “Elas estão realmente fazendo coisas que mudam completamente a abordagem de como fazemos negócios”, contou.

Uma das inovadoras nos negócios – e que entende tudo de conexão – é Heather Hiles. Ela começou a jornada como incentivadora dos empreendimentos criados por mulheres criando sua própria empresa, a Pathbrite, em 2008. Hiles se manteve como a principal gestora da empresa de tecnologia até vendê-la em 2015. A partir daí, fundou a Imminent Equity, um fundo de capital de risco dedicado a estimular empreendedoras, da qual ainda é CEO e gerente de parcerias.

Negra e lésbica, Heather contou no palco do Dell Experience como antes era difícil apresentar suas ideias tendo nascido no corpo que nasceu. “No mercado financeiro, me olhavam como se fosse de Marte. Ninguém te reconhece e ainda é muito difícil superar essa barreira. Temos que falar de inclusão, por que ainda temos um longo caminho pela frente”, disse.

Outra mulher na chefia que passou pela casa da Dell no SXSW foi Myung Lee, diretora executiva do Cities of Service. Esta organização sem fins lucrativos ajuda os prefeitos a fazerem as cidades mais potentes, fazendo com que o governo local trabalhe junto com os cidadãos.

Ela contou sobre algumas ações interessantes que fizeram em cidades dos Estados Unidos e como aproveitar melhor dos conhecimentos e experiências dos cidadãos.

“Nossos ‘clientes’ são as cidades, seus prefeitos e líderes comunitários. E estamos ensinando a eles como fazer melhores parcerias com as pessoas que vivem ali. Então é sobre manter a democracia viva já que você não pode ter uma democracia funcionando a menos que os líderes e as comunidades trabalhem juntos”, explica Myung.

Amigas, que tal um financiamento para as cidades inteligentes?

Ainda falando de cidades, uma mulher brasileira que deixou sua marca no SXSW foi Stella Hiroki, doutora e especialista em cidades inteligentes. Para ela, mais do que solução, as novas tecnologias são ferramentas que ajudam as pessoas a entenderem e interagirem melhor com suas cidades.

“A Priscilla Chan, que além de esposa do Mark Zuckerberg, é uma pesquisadora maravilhosa. Gosto muito de como ela fala sobre como a tecnologia destrava as oportunidades para que os cidadãos se sintam mais pertencentes às cidades. Eu entendo que forma para melhor aproveitar essas tecnologias seria entender que fazemos serviços de humanos para humanos, que as coisas tem um ponto de vista social”, explica a pesquisadora.

Para falar de cidades inteligentes do Brasil, Stella acredita que precisamos pensar que temos muito potencial como plataforma para projetos de tecnologia. “Se funciona no Brasil, pode ser replicado em vários países. Hoje temos projetos ótimos em São Paulo, nessa integração da diversidade; Recife, com o polo digital; e Belo Horizonte tem um trabalho maravilhoso dentro do centro de operações da cidade, comandado por uma mulher, com uma visão 360 da cidade”.

Ela foi ao SXSW para ver a palestra da Priscilla Chan, que tem um trabalho fascinante que integra saúde, educação e tecnologia. Mas indica ainda outras mulheres poderosas na ciência. “Gosto muito do trabalho da Sheryl Sandberg, mostrando quais as diferenças das posições de trabalho, principalmente no mundo da tecnologia.

Stella conta ainda sobre uma área de pesquisa que ainda não é muito conhecida no Brasil, mas tem bastante força no exterior: os estudos feministas em ciências e tecnologia. “Há várias autoras que trabalham para mostrar bibliografias que muitas vezes são tiradas da área de ciência por serem feitos por mulheres. Precisamos levar mais para o Brasil”, sugere.

É preciso encarar então a realidade: o mundo seria um lugar melhor se mais mulheres e mães pudessem lançar e expandir seus negócios. A igualdade de gênero não está só no respeito, mas também nas grandes oportunidades em ter mulheres de diferentes vivências empreendendo e investindo.

Já chegamos no tempo da feminilidade e da maternidade serem entendidas não como um obstáculo ao empreendedorismo, mas como essencial para criar um mundo mais saudável, mais rico e mais justo.

O que falta? Investimento. Será que algumas das mulheres poderosas do Women funding Women poderia nos ajudar com as cidades inteligentes da Stella?

Hypeness no SXSW 2019, a melhor tecnologia do mundo é a empatia

Pelo segundo ano consecutivo, o Hypeness vai ao SXSW. Esse ano, a Dell embarcou conosco nesse projeto de ir atrás do melhor conteúdo para você. Nossa missão: O que levar do SXSW para melhorar a minha vida e das pessoas que dividem o mundo comigo? 

Que não nos ouçam as ultramáquinas de Inteligência Artificial, mas a única inovação possível é nos humanizarmos cada vez mais. 

Vale muito mais um ser humano que conhece suas potencialidades e seus limites do que qualquer inovação futurística. 

Em nossa nova estadia em Austin, no Texas, queremos abrir ainda mais a cabeça e transformar não só o que o Hypeness entrega para vocês, amigas e amigos leitores. Mas também nossas vidas.

Nossa cobertura é um oferecimento da Dell, que promete inovar a maneira que vemos filmes, séries e esportes com a tecnologia Dell Cinema em seus notebooks.

Publicidade


Gabriela Rassy
Jornalista enraizada na cultura, caçadora de arte e badalação nas capitais ensolaradas desse Brasil, entusiasta da cena musical noturna e fervida por natureza.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher cria sistema de entrega com bicicletas destinado a mulheres e transexuais