Arte

O que acontece quando o disco ‘África Brasil’, de Jorge Ben, é tocado para crianças em Zâmbia

por: Vitor Paiva

Lançado por Jorge Ben em 1976, o disco África Brasil viria a significar não só uma guinada fundamental na carreira do cantor e compositor, como se tornaria um dos mais celebrados e reconhecidos discos da música brasileira. Misturando ritmos nacionais, a influência africana com a música negra dos EUA, África Brasil é o momento em que Jorge deixa de tocar violão para passar a se acompanhar na guitarra – e alcançar um de seus trabalhos, rítmica e esteticamente, mais fascinantes, na exata metade da ponte entre o Rio de Janeiro, os EUA e a África. Mas o que acontece quando essa ponte é de fato cruzada? Foi isso que o fotógrafo Leonardo Salomão e Daniella Schuarts foram descobrir.

Em 2015, para realizarem um vídeo a fim de arrecadar doações para a conclusão da construção de um escola na Vila de Mugurameno, na Zâmbia, Leonardo e Daniella decidiram que era a hora de Jorge Ben ir à África – de África Brasil encontrar sua ponta efetivamente africana. Assim, os dois colocaram crianças da escola para escutarem o clássico “Ponta de Lança Africano (Umbabarauma)”, que abre o disco, e reagirem à música – e o resultado é simplesmente comovente.

Ver o balanço e a alegria das crianças do Zâmbia, que jamais haviam escutado Ben ou mesmo a música brasileira, comprova não só a universalidade da música enquanto linguagem afetiva (e a alegria como a prova dos nove da própria vida) como também o quanto Jorge Ben estava certo nesse disco que é uma de suas maiores obras-primas.

Não há maiores detalhes sobre se há outras filmagens de outras músicas – pois, considerando que África Brasil traz em seu repertório canções como “O Filósofo”, “Meus filhos, meu tesouro”, “Taj Mahal”, “O Plebeu”, “Xica da Silva” e “Camisa 10 da Gávea”, seria sensacional ver as crianças reagindo ao disco por inteiro.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Dia Internacional do Reggae: mensagem política popularizada por Bob Marley continua atual e necessária